Setor público tem déficit primário de R$ 37,3 bilhões em novembro

Nos doze meses encerrados em novembro, o setor público consolidado foi deficitário em R$ 131,4 bilhões, o equivalente a 1,22% do PIB

Roberto de Lira

(Shutterstock)

Publicidade

O setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 37,3 bilhões em novembro de 2023, ante resultado também deficitário de R$ 20,1 bilhões em novembro de 2022, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (5) pelo Banco Central do Brasil.

No mês, ocorreram déficits de R$ 38,9 bilhões no Governo Central e de R$ 343 milhões nas empresas estatais, e um superávit primário de R$ 2,0 bilhões nos governos regionais.

Nos doze meses encerrados em novembro, o setor público consolidado foi deficitário em R$ 131,4 bilhões, equivalente a 1,22% do PIB (0,15 ponto percentual acima do déficit acumulado nos doze meses encerrados em outubro). 

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O montante dos juros nominais do setor público consolidado, apropriados por competência, somou R$ 43,6 bilhões em novembro de 2023, comparativamente a R$ 50,3 bilhões no mesmo mês de 2022.

O resultado mais favorável das operações de swap cambial no mês contribuiu para essa redução (ganho de R$ 18,3 bilhões em novembro de 2023, ante ganho de R$ 7,6 bilhões em novembro de 2022).

No acumulado em doze meses, os juros nominais alcançaram R$ 713,4 bilhões (6,60% do PIB) em novembro de 2023, ante R$ 581,8 bilhões (5,82% do PIB) nos doze meses até novembro de 2022.

Continua depois da publicidade

O resultado nominal do setor público consolidado, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, foi deficitário em R$ 80,9 bilhões em novembro.

No acumulado em doze meses até novembro, o déficit nominal alcançou R$ 844,8 bilhões, equivalente a 7,82% do PIB, comparativamente ao déficit nominal de R$ 834,3 bilhões (7,77% do PIB), acumulado até o mês anterior.

Dívida líquida e dívida bruta

A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) atingiu R$ 6,4 trilhões em novembro, o equivalente a 59,5% do PIB, com elevação de 0,3 p.p. do PIB em relação a outubro.

Esse aumento refletiu os impactos dos juros nominais apropriados (aumento de 0,4 p.p.), do déficit primário (aumento de 0,3 p.p.), da valorização cambial de 2,4% no mês (aumento de 0,3 p.p.), do ajuste de paridade da cesta de moedas que integram a dívida externa líquida (redução de 0,3 p.p.), e da variação do PIB nominal (redução de 0,4 p.p.).

No ano, o aumento de 3,3 p.p. na relação dívida/PIB resultou das contribuições dos juros nominais apropriados (aumento de 6,1 p.p.), do déficit primário (aumento de 1,1 p.p.), do efeito da valorização cambial acumulada de 5,4% (aumento de 0,6 p.p.), do ajuste de paridade da cesta de moedas que integram a dívida externa líquida (redução de 0,3 p.p.), do reconhecimento líquido de ativos (redução de 0,2 p.p.) e do crescimento do PIB nominal (redução de 3,8 p.p.).

A dívida bruta do governo – que inclui Governo Federal, INSS e governos estaduais e municipais – atingiu 73,8% do PIB (R$ 8,0 trilhões), elevando-se 0,1 p.p. do PIB em relação ao mês anterior.

Esse resultado foi fruto do impacto dos juros nominais apropriados (aumento de 0,6 p.p.), e do efeito da variação do PIB nominal (redução de 0,5 p.p.). No ano, o crescimento de 2,1 p.p. na relação DBGG/PIB resultou sobretudo dos juros nominais apropriados (aumento de 6,9 p.p.), das emissões líquidas de dívida (aumento de 0,2 p.p.), do efeito da valorização cambial acumulada (redução de 0,2 p.p.), e do efeito da variação do PIB nominal (redução de 4,8 p.p.).