Setor de serviços dos EUA se recupera em maio, segundo o ISM

O Instituto de Gestão de Fornecimento informou que seu índice de gerentes de compras não manufatureiro subiu de 49,4 em abril para 53,8 no mês passado

Reuters

Consumidora em loja de Nova York (Foto: Eduardo Munoz/Reutesr)

Publicidade

(Reuters) – O setor de serviços dos Estados Unidos voltou a crescer em maio, depois de uma contração no mês anterior, de acordo com pesquisa publicada nesta quarta-feira (5), o que pode reforçar a cautela do Federal Reserve em relação a uma mudança para cortes na taxa de juros.


O Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM) informou que seu índice de gerentes de compras não manufatureiro subiu de 49,4 em abril para 53,8 no mês passado. A leitura de maio, a mais alta desde agosto, superou as estimativas de todos os 59 economistas em uma pesquisa da Reuters, cuja mediana era de 50,8, um pouco acima do nível 50 que separa crescimento de contração.


O índice de atividade empresarial do relatório subiu 10,3 pontos, o maior aumento desde março de 2021, e o elevou para 61,2, o nível mais alto desde novembro de 2022.

Continua depois da publicidade


O crescimento do número de novos pedidos voltou a acelerar depois de ter diminuído nos dois meses anteriores, e uma medida dos custos de insumos de serviços diminuiu. O nível de emprego, embora tenha melhorado em relação ao nível mais baixo em quatro meses registrado em abril, permaneceu em território de contração, com 47,1.


A leitura do setor de serviços contrastou com o relatório do ISM sobre o setor manufatureiro divulgado na segunda-feira, que mostrou que a atividade contraiu pelo segundo mês consecutivo em maio.


Dados ao longo do último mês ficaram em geral abaixo das projeções de economistas, ampliando as evidências de que os 525 pontos-base de aumentos da taxa de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) desde março de 2022 estão finalmente pesando sobre uma economia que tem se mostrado resiliente.

Continua depois da publicidade


Porém, com os serviços respondendo pela maior parte da produção econômica dos EUA, a surpresa positiva pode reforçar a hesitação em adotar cortes de juros entre as autoridades do Fed, em meio a uma inflação mais forte do que o esperado até agora neste ano.


O Fed se reunirá nos dias 11 e 12 de junho e deverá manter os juros, mas o banco central divulgará projeções atualizadas das autoridades para crescimento, desemprego, inflação e política monetária em vários horizontes de tempo.