Se mercado de trabalho continuar forte, Fed terá que adiar cortes de juros, diz dirigente

No entanto, Neel Kashkari pondera que "dois ou três cortes de juros ao longo de 2024" parecem apropriados neste momento

Estadão Conteúdo

Sede do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA) (Nathan Howard/Bloomberg)

Publicidade

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Minneapolis, Neel Kashkari, alertou nesta quarta-feira que os dirigentes podem adiar cortes de juros ou fazer um processo mais lento de normalização das taxas, caso o mercado de trabalho americano continue forte.

Em entrevista à CNBC, Kashkari apontou que a economia dos EUA segue “notavelmente resiliente” e que o aperto monetário pode não estar pressionando a demanda do modo esperado pelo banco central, tendo em vista que os consumidores mantém nível robusto de consumo de bens mesmo com preços elevados de serviços.

Ele reiterou ainda a postura dependente de dados do BC e afirmou que os dirigentes precisam ver dados favoráveis confirmando retorno da inflação à 2%, antes de considerar alterações na política monetária. No entanto, Kashkari pondera que “dois ou três cortes de juros ao longo de 2024” parecem apropriados neste momento.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Questionado sobre a relação de bancos com o setor imobiliário comercial, o dirigente afirmou que ambos estão resilientes. “O setor imobiliário comercial está se saindo bem, exceto por negócios envolvendo escritórios”, disse Kashkari. “E os problemas que vimos em bancos desde o ano passado têm sido individuais, não sistêmicos.”