Projeção para IPCA 2020 no cenário básico está em 3,1%, diz ata do BC

As estimativas já constaram no comunicado da semana passada, quando o Copom manteve a Selic (a taxa básica de juros) em 2,00% ao ano.

Estadão Conteúdo

Publicidade

A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada nesta terça-feira, 3, indicou que a projeção para o IPCA de 2020 no cenário básico está em 3,1%. Este cenário pressupõe a taxa de juros variando conforme a pesquisa Focus e o câmbio partindo de R$ 5,60 e evoluindo conforme a Paridade do Poder de Compra (PPC). Já a projeção para 2021 está em 3,1% e o cálculo para 2022 está em 3,3%.

As estimativas já constaram no comunicado da semana passada, quando o Copom manteve a Selic (a taxa básica de juros) em 2,00% ao ano. Foi a segunda vez, após nove reuniões consecutivas, em que o BC não reduziu os juros. Para o cálculo das projeções, o BC utilizou taxa de câmbio partindo de R$ 5,60, que é a média da taxa de câmbio observada nos cinco dias úteis encerrados no dia 23 de outubro.

No comunicado da semana passada, o BC publicou, pela primeira vez, projeções com base no câmbio PPC. Em setembro, durante a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o BC já havia anunciado que pretendia dar preferência ao câmbio PPC em suas projeções, e não mais ao câmbio fixo ou baseado no Focus.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A hipótese de trajetória de taxa de câmbio constante tem como qualidades a simplicidade e a consonância com evidências que apontam para as dificuldades em se prever a taxa de câmbio”, explicou o BC na ocasião. “Entretanto, essa hipótese não considera os potenciais efeitos do diferencial entre as inflações doméstica e externa sobre o câmbio. Na literatura econômica, a relação entre câmbio e diferencial de inflação é usualmente considerada por meio da teoria da paridade do poder de compra (PPC). Na sua versão em diferenças, a variação da taxa de câmbio deve ser dada pela diferença entre as inflações doméstica e externa.”

De acordo com o BC, como a inflação no Brasil é superior à externa, a adoção da hipótese de câmbio conforme a PPC “evitaria a utilização de trajetória de apreciação real do câmbio, apreciação essa que eventualmente levaria a uma subestimação das projeções de inflação”.

Ata anterior

Na ata da reunião anterior, de 15 e 16 de setembro, o BC ainda publicava projeções com base no cenário híbrido (juro Focus e câmbio constante). Naquela ocasião, as projeções de inflação eram de 2,1% para 2020, 2,9% para 2021 e 3,3% para 2022.

Continua depois da publicidade

Também na ata anterior, as projeções do cenário de referência (juro fixo e câmbio constante) eram de 2,1% em 2020, 3,0% em 2021 e 3,8% em 2022.

Juro fixo e câmbio PPC

A ata também indicou que a projeção para o IPCA de 2020 no cenário que utiliza juro fixo e câmbio variando conforme a PPC está em 3,1%. Este cenário pressupõe Selic a 2,00% ao ano e câmbio partindo de R$ 5,60.

Já a projeção para 2021 está em 3,2% e o cálculo para 2022 está em 3,8%. As estimativas já constaram no comunicado da semana passada. Para o cálculo das projeções, o BC utilizou taxa de câmbio partindo de R$ 5,60, que é a média da taxa de câmbio observada nos cinco dias úteis encerrados no dia 23 de outubro.