Produção industrial decepciona e cai 0,3% em fevereiro, 2º mês seguido de contração

A queda no mês decepcionou a taxa esperada pelo consenso LSEG de analistas, que previa avanço de 0,3% em fevereiro ante janeiro; na comparação com fevereiro de 2023, a indústria cresceu 5,0%, abaixo do previsto

Roberto de Lira

Fábrica da Fiat, da Stellantis, em Betim (MG) - 20/05/2020 (Reuters/Washington Alves)

Publicidade

A produção industrial brasileira voltou a cair em fevereiro, após a queda de 1,6% observada em janeiro. A variação desta vez foi de -0,3%, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada nesta quarta-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação fevereiro de 2023, a indústria cresceu 5,0%, marcando o sétimo resultado positivo consecutivo nesse índice. O acumulado de janeiro-fevereiro de 2024 frente ao mesmo período de 2023 foi de 4,3%. Em 12 meses, ficou em +1,0%.

A queda no mês decepcionou a taxa esperada pelo consenso LSEG de analistas, que previa avanço de 0,3% em fevereiro ante janeiro. A projeção para a variação anual era de alta de 5,6%.

Ebook Gratuito

Como analisar ações

Cadastre-se e receba um ebook que explica o que todo investidor precisa saber para fazer suas próprias análises

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Apesar da queda no índice geral, na passagem de janeiro para fevereiro, apenas uma das quatro grandes categorias econômicas teve redução na produção: a dos bens intermediários, que caiu 1,2%. Isso interrompeu quatro meses consecutivos de crescimento, período em que a categoria industrial acumulou avanço de 2,9%.

Por outro lado, os segmentos de bens de capital (3,5%) e de bens de consumo duráveis (3,8%) assinalaram os resultados positivos nesse mês. O primeiro intensificou assim a expansão de 2,6% registrada em janeiro último, enquanto o segundo permaneceu com a trajetória ascendente iniciada em novembro de 2023.

Entre as atividades, 10 dos 25 ramos industriais pesquisados mostraram redução na produção. As influências negativas mais importantes foram assinaladas por produtos químicos (-3,5%), indústrias extrativas (-0,9%) e produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-6,0%).