Produção industrial da China cresce em novembro, mas investimentos mostram estagnação

Produção industrial acelerou de 4,6% anualizados para 6,6% em um mês; consenso Refinitiv de analistas esperava alta de 5,6%

Roberto de Lira

(Getty Images)

Publicidade

Os dados de atividade econômica da China mostraram resultados mistos em novembro ante outubro, de acordo com dados divulgados na noite de quinta-feira (16) pelo departamento nacional de estatísticas (NBS), na sigla em inglês). A produção industrial avançou, mas as vendas no varejo cresceram abaixo da estimativa. Já o investimento estagnou.

A produção industrial cresceu 0,87% em novembro ante outubro, com o avanço anualizado acelerando de 4,6% para 6,6% em um mês. O consenso Refinitiv de analista esperava um crescimento anualizado de 5,6% no mês.

A produção de máquinas e equipamentos expandiu 9,8% em termos anuais no mês passado, um salto de 3,6 pontos percentuais comparado a outubro, o que impulsionou a produção industrial geral em mais de 1 ponto percentual, informa a agência Xinhua.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A fabricação de itens de alta tecnologia teve aumento de 6,2% em novembro, uma alta mensal de 4,4 pontos percentuais, revelaram os dados. Os destaques foram segmentos como painéis solares, robótica e circuitos integrados.

Nos primeiros 11 meses do ano, a produção industrial da China cresceu 4,3% em relação ao mesmo período do ano passado, subindo 0,2 ponto percentual ante o crescimento de janeiro a outubro.

Varejo cresce abaixo do esperado

Já as vendas no varejo chinês subiram 10,1% em termos anuais em novembro, segundos os dados oficiais, acelerando ante o avanço de registrado em outubro, informou o NBS. No entanto, a alta ficou aquém da projeção de 12,5% feita pelo consenso Refinitiv de analistas.

Continua depois da publicidade

As vendas no varejo nas regiões urbanas do país aumentaram 10% em termos anuais, enquanto as vendas nas áreas rurais cresceram 10,4%.

Em 11 meses, as vendas totais no varejo de bens de consumo superaram 42,79 trilhões de yuans (cerca de US$ 6,03 trilhões), um aumento anual de 7,2% ante o mesmo período do ano passado.

O índice de produção de serviços da China, por sua vez, subiu 9,3% em novembro em relação ao mesmo Mês do ano passado – a taxa de crescimento foi 1,6 ponto percentual mais alta que o nível de outubro. Só o subíndice do setor de alojamento e alimentação cresceu 30,6% em termos anuais.

O subíndice que acompanha o desempenho dos serviços de transporte, armazenagem e correios cresceu 15,1%, enquanto o subíndice de transmissão de informações, software e serviços de tecnologia da informação subiu 13,3%.

Nos primeiros 11 meses do ano, o índice de produção de serviços aumentou 8% anualmente, 0,1 ponto percentual maior que o registrado no período de janeiro a outubro.

Investimento

O investimento em ativos fixos chinês mostrou os mesmos 2,9% de expansão no acumulado do ano em novembro que o verificado um mês antes. Os aportes somaram cerca de 46,08 trilhões de yuans (US$ 6,49 trilhões) entre janeiro e novembro.

O investimento em ativos fixos cresceu 0,26% em novembro na comparação mensal.

No período, o investimento em construção de infraestruturas e no setor manufatureiro cresceu anualmente 5,8% e 6,3%, respectivamente, enquanto o investimento em desenvolvimento imobiliário caiu 9,4%.

O que destoou do quadro geral foi investimento em setores de alta tecnologia, que aumentou 10,5% em termos anuais. O capital investido na fabricação de equipamentos aeroespaciais e dispositivos médicos aumentou 16,2% e 14,8%, respectivamente.