Análise

Problemas econômicos da China reforçam apelos por reformas mais profundas

Série de medidas de apoio fragmentadas por parte de Pequim levantou questões sobre as difíceis escolhas que a nova liderança econômica enfrenta agora

Por  Reuters -

PEQUIM (Reuters) – A desaceleração econômica da China está polarizando os consultores do governo sobre o melhor caminho a seguir, com os defensores de reformas estruturais emergindo das sombras em um desafio a outros que pedem mais gastos do Estado para sustentar o crescimento vacilante.

O raro debate entre os consultores, que influenciam a formulação de políticas, mas não exercem poder direto, ocorre em um momento em que os mercados globais lutam por pistas sobre como as autoridades chinesas poderão interromper uma desaceleração que deixou milhões de pessoas sem emprego, forçou a fuga de investidores e a queda do iuan.

Uma série de medidas de apoio fragmentadas por parte de Pequim nos últimos meses levantou questões sobre as difíceis escolhas que a nova liderança econômica enfrenta agora para decidir se priorizará o alívio de curto prazo ou as reformas há muito necessárias.

Os consultores que defendem o estímulo imediato argumentam que o baixo endividamento do governo central significa que ele pode arcar com o ônus junto aos municípios para financiar infraestrutura e outros gastos para acelerar a atividade.

No entanto, os consultores pró-reforma argumentam que o manual de estímulo que ajudou a impulsionar o crescimento por décadas já passou do limite e que agora são necessárias mudanças estruturais mais ousadas na economia.

Ambos os campos argumentam que suas propostas devem ser tratadas com urgência pelos autoridades de política monetária, antes da Conferência Central de Trabalho Econômico, uma reunião anual de definição de agenda dos principais líderes esperada para dezembro.

“Precisamos de políticas de estímulo mais fortes e de um plano geral, um pacote de medidas de política macroeconômica”, disse Yu Yongding, um influente economista do governo que anteriormente assessorava o banco central.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A China deve emitir mais títulos públicos para financiar investimentos em infraestrutura, incluindo mais investimentos em instalações públicas, como hospitais e lares de idosos. A China não deve ter medo de aumentar a relação entre o déficit orçamentário e o PIB e entre os títulos públicos e o PIB”, disse Yu à Reuters.

O banco central da China está limitado no que diz respeito ao grau de flexibilização da política monetária em meio a temores de que o aumento da diferença entre as taxas de juros e os Estados Unidos desencadeie a fuga de capitais e a queda do iuan, disse Yu.

“Precisamos aumentar o estímulo fiscal. Há espaço para o governo central aumentar os gastos, dada sua sólida posição fiscal”, disse um consultor que falou sob condição de anonimato.

A dívida do governo central como parcela do produto interno bruto é de apenas 21%, muito inferior aos 76% dos governos locais, incluindo sua dívida oculta.

A China tem como meta um déficit orçamentário de 3,0% do PIB para 2023. Os governos locais estão correndo para emitir a cota de 2023 de 3,8 trilhões de iuanes (520,68 bilhões de dólares) em títulos especiais neste mês para financiar a infraestrutura.

Masterclass
Semana do Trader Sossegado
Uma semana de conteúdo prático e gratuito para você ter ganhos consistentes na bolsa operando apenas 30 minutos por dia

O campo pró-reforma está defendendo reformas estruturais mais rápidas, incluindo a flexibilização do sistema de permissões de residência, ou “hukou”, para estimular o consumo, removendo as barreiras de entrada no mercado para empresas privadas à custa de gigantes estatais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguns estão pedindo a retomada de reformas de mercado paralisadas em meio a sinais de aumento dos controles estatais na economia.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse à Reuters no fim de semana que o Fundo planeja dizer à China para estimular o consumo interno, controlar a dívida dos governos locais e limpar seu inchado setor imobiliário.

“O estímulo da política não é eficaz e é apenas um placebo”, disse um dos consultores.

Liu Shijin, consultor do banco central, disse que a China deve promover reformas para liberar o poder de compra dos trabalhadores migrantes que entraram nas cidades, opinião compartilhada pelo ex-diretor do banco central, Yi Gang.

As reformas são urgentemente necessárias, uma vez que os motores do crescimento, como o setor imobiliário, as exportações e a infraestrutura, estão estagnados, disse ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Se continuarmos a nos concentrar em políticas macroeconômicas para estabilizar o crescimento, os efeitos colaterais aumentarão e, o que é mais importante, a oportunidade de reforma estrutural será perdida novamente”, disse Liu em um fórum no mês passado.

RUMO ESTREITO

Apesar do debate acalorado, os analistas esperam que os líderes chineses consigam se manter na corda bamba entre estímulos e reformas.

Rob Subbaraman, economista-chefe da Nomura, disse que o estímulo de curto prazo estimulará o crescimento, mas ao custo de agravar as distorções estruturais. Enquanto isso, as reformas estruturais poderão trazer dor no curto prazo e levarão mais tempo para impulsionar a atividade, mas produzirão um crescimento sustentável e de maior qualidade ao longo do tempo.

“A China precisa de ambas as coisas, embora esteja onde está agora porque, historicamente, tem se apoiado mais em estímulos políticos do que em reformas estruturais mais difíceis”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na quarta-feira, o Banco Asiático de Desenvolvimento reduziu sua previsão de crescimento da China para 4,9%, de 5,0% em julho, devido à fraqueza do setor imobiliário.

Embora as mudanças estruturais exijam vontade política, os defensores da reforma argumentam que, sem elas, a China terá dificuldades para reavivar de forma sustentável a confiança em sua economia, especialmente no setor privado.

“Precisamos voltar à base estabelecida por Deng Xiaoping, caso contrário, a economia não será boa, pois os investidores estrangeiros não terão confiança”, disse Yi Xianrong, economista da Universidade de Qingdao e ex-conselheiro do governo. “É improvável que a economia se recupere enquanto as empresas privadas não tiverem confiança para investir.”

Newsletter
Infomorning
Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe