‘Principal esforço do BNDES é retomar captação internacional de recursos’, diz Nelson Barbosa

Em entrevista à Globonews, Nelson Barbosa afirmou que governo Bolsonaro teria recusado a oferta de recursos dos Brics e do BID

Estadão Conteúdo

Publicidade

O diretor de Planejamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Nelson Barbosa, disse em entrevista à GloboNews que o principal esforço do banco de fomento é recuperar a captação internacional.

Segundo ele, diversas instituições, como o banco dos Brics, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco de Desenvolvimento da China, chegaram a oferecer recursos ao BNDES na gestão do governo Bolsonaro, mas não foram aceitos.

No total, disse Barbosa, as ofertas somaram US$ 5 bilhões com taxas próximas da Selic (taxa básica de juros do Brasil), mas em percentual um pouco abaixo. Os recursos, se retomados destas instituições, podem financiar exportações e empresas que têm receita em dólar.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Barbosa disse esperar que a taxa Selic seja reduzida pelo Banco Central, o que poderia ajudar a financiar no longo prazo o crescimento da economia. De janeiro a maio, o BNDES teve alta de cerca de 9% nos empréstimos em termos reais. Já as consultas por financiamento tiveram aumento de 200%.

“Muitas empresas estão procurando o banco e esperando a definição do quadro econômico e, principalmente, dos juros”, afirmou. O economista disse que se os juros caírem é possível aumentar a taxa de investimento sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do atual patamar de 18% para o de 20%.

O diretor do BNDES afirmou que o banco de fomento tem como estratégia financiar as empresas em parceria com o setor privado. “É para ajudar o mercado a crescer em emissões de papéis privados, tem o BNDESPar”, disse.

Continua depois da publicidade

Ele citou que o apoio ao setor privado pode ser por meio de empréstimo, participação em capital de empresas ou aporte recursos em fundo de private equity, no qual o BNDES entra como cotista.

Na área de economia verde, Barbosa disse que o banco vai apoiar projetos de energia eólica e de energia solar. O banco também estuda apoiar empreendimentos de hidrogênio verde. “Tem um potencial grande no Brasil e pode ser uma forma da Petrobras se reinventar”, disse.

Ele acrescentou que o BNDES deve retomar o cartão BNDES “em bases mais sustentáveis”. As condições do cartão serão redesenhadas para reduzir a inadimplência que ocorreu anteriormente.