Presidente do BCE reafirma comentário sobre possível cortes de juros no verão europeu

Em entrevista concedida após a decisão de juros pelo comitê de política monetária, ele evitou responder diretamente se isso descarta a possibilidade de o afrouxamento começar antes

Estadão Conteúdo

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu

Publicidade

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, esclareceu nesta quinta-feira (25) que mantém as declarações feitas há algumas semanas de que os juros na zona do euro podem ser cortados a partir do verão local, que começa em meados de junho.

Em entrevista concedida após a decisão de juros pelo comitê de política monetária, ele evitou responder diretamente se isso descarta a possibilidade de o afrouxamento começar antes.

Durante coletiva de imprensa, Lagarde também ressaltou que os dados mais recentes de índices de gerentes de compras (PMI) na zona do euro sugerem que a economia caminha para uma recuperação ao longo de 2024.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A responsável pela autoridade monetária europeia reiterou o compromisso em manter a política monetária em nível restritivo pelo “tempo que for necessário” para reduzir a inflação na zona do euro à meta de 2%

Segundo ela, as taxas básicas atualmente estão em nível adequado para conter a escalada inflacionária. “As decisões serão tomadas de acordo com os indicadores”, destacou.

A banqueira central ressaltou que os dados mais recentes têm confirmado as projeções do BCE. De acordo com ela, a inflação subjacente continua arrefecendo, em um sinal de que a política está sendo transmitida à atividade conforme o esperado.

Continua depois da publicidade

Lagarde afirmou ainda que os riscos ao crescimento econômico da zona do euro pendem para baixo, em meio à manutenção da política monetária em nível restritivo e uma série de outros fatores.

Ela comentou que a atividade na região deve ter estagnado no quarto trimestre de 2023 e que os indicadores mais recentes sugerem uma fraqueza.

Para ela, os riscos geopolíticos, principalmente no Oriente Médio, podem afetar negativamente o ambiente econômico e também constituem um potencial fator de aceleração da inflação.