Posse de novos diretores do BC será feita em seus gabinetes e fechada à imprensa

O BC se comprometeu a informar quando o processo for finalizado

Estadão Conteúdo

Edifício Sede Caixa Econômica Federal e Banco Central em Brasília

Publicidade

O ato de assinatura dos termos de posse dos dois novos diretores do Banco Central, marcado para esta terça-feira (2), será fechado à imprensa e sem horário definido. De acordo com a assessoria da autoridade monetária, será algo simples, feito em seus próprios gabinetes, assim como ocorreu com os últimos nomeados. O BC se comprometeu a informar quando o processo for finalizado.

Tomam posse amanhã os diretores de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Paulo Picchetti, que será o sucessor de Fernanda Guardado, e de Administração, Rodrigo Alves Teixeira. Embora Teixeira tenha sido indicado originalmente para substituir o diretor Maurício Moura na Diretoria de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta, o novo integrante do BC indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) irá ocupar a diretoria de Administração.

A partir desta terça-feira, portanto, após as assinaturas dos novos integrantes da cúpula da autarquia, Carolina de Assis Barros, que está em férias e era a titular dessa diretoria, ficará à frente da área de Relacionamento. Conforme apurou o Broadcast, o BC modificou a composição de sua diretoria de olho no momento sensível pelo qual passam os servidores da instituição.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Funcionário de carreira da autarquia e lotado na Casa Civil até ser indicado para a cúpula da autoridade monetária, Teixeira é visto como um técnico que pode ter mais trânsito dentro do governo neste período mais delicado para o BC, em que servidores têm reivindicado reestruturação de carreiras e atrasado atividades do órgão em protesto e prometem uma greve para o próximo dia 11.

Representantes de funcionários da autoridade monetária aplaudiram a dança das cadeiras, alegando que a diretora responsável pela área estava muito “desgastada” com a categoria.