PMI de serviços do Japão avança para 51,5 em dezembro; índice composto sobe para 50,0

Melhoria nos novos pedidos recebidos pelos prestadores de serviços japoneses sustentou o fortalecimento da atividade empresarial no final de 2023

Estadão Conteúdo

Japão (Colton Jones/Unsplash)

Publicidade

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços do Japão subiu de 50,8 em novembro para 51,5 em dezembro, segundo pesquisa da S&P Global em parceria com o Jibun Bank publicada na noite desta quinta-feira (4), pelo horário de Brasília.

Na leitura preliminar, o PMI de serviços tinha sido de 52.

O indicador permaneceu acima do nível neutro de 50; ou seja, indicando expansão da atividade.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Com esse dados, o PMI composto (que engloba serviços e indústria) japonês subiu de 49,6 em novembro para o nível neutro de 50,0 em dezembro. Na leitura preliminar, o PMI composto tinha sido de 50,4.

Usamah Bhatti, economista da S&P Global Market Intelligence, comentou em nota que uma melhoria nos novos pedidos recebidos pelos prestadores de serviços japoneses sustentou o fortalecimento da atividade empresarial no final de 2023.

“Os prestadores de serviços citaram o maior número de clientes como uma das principais razões para o aumento, o que significa que as empresas fecharam o ano em território positivo. As empresas também estavam confiantes de que isso levaria a aumentos contínuos na atividade, conforme indicado por um maior grau de confiança nas perspectivas de 12 meses”, afirmou.

Continua depois da publicidade

Mas os entrevistados na pesquisa também alertaram para uma alta mais acentuada nas pressões inflacionárias durante o mês. “Os custos mais elevados foram muitas vezes o resultado do aumento dos custos das matérias-primas, dos combustíveis e da mão-de-obra e contribuíram para o aumento mais acentuado dos encargos de produção desde agosto”, comparou.