PMI de serviços da zona do euro tem ligeira alta, para 48,8 em dezembro

Indicador ficou pelo quinto mês seguido abaixo da linha de 50,0, que separa a expansão da atividade da contração; PMI composto ficou estável em 47,6

Roberto de Lira

Publicidade

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços da zona do euro subiu ligeiramente, de 48,7 em novembro para 48,8 em dezembro, ficando assim pelo quinto mês seguido abaixo da linha de 50,0, que separa a expansão da atividade da contração, informou nesta quinta-feira (5) a pesquisa da S&P Global, em parceira com o banco HCOB.

O dado ficou acima do consenso Refinitiv de analistas, que previa um PMI de 48,1.

O índice composto, que agrega os serviços e a indústria, ficou estável em 47,6 em dezembro, no sétimo mês abaixo da linha média e sinalizando um declínio moderado, porém sustentado, da atividade empresarial em toda a zona da moeda comum europeia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os dados mostraram assim leituras abaixo de 50,0 em todos os meses durante o terceiro e quarto trimestres de 2023.

Demanda fraca

Segundo a pesquisa, a procura por serviços da zona euro caiu continuou fraca no final do ano, mas a taxa de declínio nas receitas de novos negócios foi a mais branda desde julho passado. As vendas para clientes estrangeiros também contraíram, com a queda se acelerando desde o mês anterior.

Já o crescimento do emprego no setor se manteve em toda a economia de serviços da área do euro, com a taxa de criação de empregos permanecendo inalterada no mês. Mas a expansão no número de trabalhadores foi a segunda mais suave desde fevereiro de 2021.

Continua depois da publicidade

A confiança das empresas melhorou durante o mês de dezembro, atingindo o seu nível mais elevado desde meados de 2023. No entanto, as expectativas de crescimento permaneceram fracas face aos padrões históricos.

Além disso, os dados da pesquisa mostraram que as empresas de serviços da zona do euro foram mais agressivas na fixação dos seus preços, apesar de os custos dos fatores de produção terem desacelerado para um mínimo de cinco meses.