PIB do 2º tri teve recessão histórica, mas o caminho à frente é de subida, dizem economistas

Os rumos da economia combalida por uma pandemia são de melhora, já que há consenso de que foi atingido o fundo do poço

Ricardo Bomfim

Publicidade

SÃO PAULO – O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro sofreu uma contração de 9,7% no segundo trimestre de 2020 na comparação com os primeiros três meses do ano. Segundo analistas, a queda apesar de superior à expectativa mediana do mercado – que era de retração de 9,2% pelo consenso Bloomberg – não preocupa tanto, pois o fundo do poço já foi atingido.

Conforme lembraram os economistas Leonardo Fonseca e Lucas Vilela, do Credit Suisse, tanto o recuo trimestral do PIB quanto o anual (-11,4% ante o segundo trimestre de 2019) foram os maiores da série histórica iniciada no primeiro trimestre de 1996.

Todavia, os números não mudam o cenário-base do banco, que prevê queda de 5,2% do PIB brasileiro em 2020, uma vez que os indicadores econômicos recentes sugerem continuidade na recuperação econômica vivenciada desde abril.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Mais otimista, Gustavo Arruda, economista-chefe do BNP Paribas para Brasil, revisou para cima sua projeção para o PIB de 2020 depois do resultado do segundo trimestre. De uma queda de 7%, ele agora espera que a economia brasileira caia 5% neste ano, essencialmente porque, na opinião dele, a recessão até agora não foi tão profunda quanto o banco inicialmente imaginou que seria.

“A reabertura precoce da economia, junto com os amplos pacotes de estímulos fiscais e monetários, explicam essa performance melhor que a esperada”, alega.

Na mesma linha, Alberto Ramos, diretor de pesquisa econômica para América Latina do Goldman Sachs, explica que os dados da atividade econômica referentes a maio e junho mostram uma recuperação visível após o declínio que ocorreu em março e abril.

Continua depois da publicidade

As razões apontadas para essa melhora no desempenho da economia são a política de juros mais baixos adotada pelo Banco Central e as “generosas medidas” de estímulo fiscal promovidas pelo governo.

“Nós esperamos que a atividade real continue a se recuperar nos meses vindouros apoiada pela gradual e seletiva flexibilização dos protocolos obrigatórios de distanciamento social somada à melhora nas condições financeiras internacionais, além de estímulos fiscais adicionais e efeitos defasados da política monetária”, prevê.

Por outro lado, o economista elenca como problemas a serem enfrentados nos próximos trimestres a complexidade do quadro da pandemia no Brasil, o mercado de trabalho muito fraco e a retirada ou redução gradual de alguns programas sociais de curto prazo como o auxílio emergencial.

Apesar do cenário não ser tão dantesco como muitos supunham no começo da proliferação do coronavírus, Ramos revisou suas projeções para o PIB de 2020 principalmente devido à revisão que o próprio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) fez do PIB do primeiro trimestre deste ano. O número oficial foi revisto de uma recessão de 1,5% para uma maior, de 2,5% nos primeiros três meses de 2020.

Com isso, agora o Goldman Sachs prevê queda de 5,4% do PIB brasileiro em 2020, contra o recuo de 5% estimado anteriormente.

Já os economistas Thiago Machado e Fernando Sedano, do Morgan Stanley, acreditam que a atividade econômica brasileira deva cair menos do que o banco antecipava no meio do ano.

E os motivos citados para isso são que o auxílio emergencial dá alguma resiliência ao consumo, o que fica demonstrado pelo retorno das vendas do varejo aos níveis pré-pandemia, e que a tendência atual é de relaxamento mais rápido que o esperado das medidas de distanciamento social.

“Grandes medidas de lockdown parecem inviáveis no Brasil dados o alto nível de informalidade e a necessidade da maior parte da população de se fazer uma renda extra para poder pagar as contas.”

Vale lembrar que as vendas no varejo se expandiram em 14% em maio na comparação com abril e mais 8% em junho em relação a maio.

Já Vitor Vidal, economista da XP Investimentos, destaca que o número cheio do PIB veio bem mais fraco que o esperado pela corretora (queda de 8%), mas que o principal responsável por esse desvio foram os gastos da administração pública.

No trimestre, o consumo do governo recuou 8,6% na comparação com o período anterior, enquanto a XP esperava queda de 2%. Vidal argumenta que isso ocorreu devido ao cancelamento de praticamente todas as cirurgias eletivas no sistema público de saúde.

“Segundo o DataSuS, a queda no período (sujeita a revisões) foi próxima de 40%. Acreditamos que haverá devolução destes números ao longo do segundo semestre”, projeta.

Os economistas David Becker e Ana Madeira, do Bank of America, por sua vez, projetam que o PIB cairá 5,7% em 2020, com uma recuperação gradual no segundo semestre.

“Todos os indicadores de confiança cresceram em agosto, com a confiança do consumidor subindo 2,1 pontos, a 80,4, a confiança dos serviços aumentando em 6,8 pontos a 83,5 e a confiança do comércio disparando 12,7 pontos, a 96,3. A confiança da indústria está também se recuperando rápido, expandindo-se em 10 pontos, a 100,5 em agosto, acima dos níveis pré-pandemia”, analisa a equipe de análise do BofA.

O UBS, por sua vez, revisou para cima a estimativa do PIB de 2020 de baixa de 5,5% para queda de 4,5%. Tony Volpon e Fabio Ramos, economistas da instituição, ressaltam que a recuperação em formato de “V” – como muito destacado por Paulo Guedes, ministro da Economia – acontece, em parte, devido ao extraordinário (ainda que insustentável) gasto fiscal.

Desta forma, fazer um equilíbrio entre a sustentabilidade fiscal mas, ao mesmo tempo, não incorrer em uma rápida contração dos gastos será o desafio para o futuro da economia, avaliam. Os economistas esperam um crescimento de 3% para 2021 e veem alguma possibilidade de alta para essa previsão: “nossa projeção é impulsionada por caminhos modestos, embora otimistas, para as principais variáveis de nossos modelos”.

Serviços e consumo doméstico sofreram

Vidal lembra que apenas três segmentos apresentaram crescimento no segundo trimestre. Foram eles as atividades financeiras (+0,8%), as atividades imobiliárias (+0,5%) e a agropecuária (+0,4%). Enquanto isso, o setor industrial caiu 12,3% e o de serviços se retraiu em 9,7%.

O setor de “Outros Serviços”, que engloba bares, restaurantes, serviços administrativos, profissionais, hotéis, entre outros, teve contração de 19,8%, conforme realçou a XP.

Alberto Ramos afirma que os dados do setor de Serviços foram notadamente mais fracos do que os de produção e consumo de bens por conta da natureza do choque causado pela Covid-19. “Os protocolos de distanciamento social afetaram mais os serviços, pois eles são mais intensivos em contato direto entre vendedor e cliente”, avalia.

Outro ponto de destaque no PIB foi a queda de 12,4% na demanda doméstica, puxada pela contração de 12,5% no consumo das famílias e de 15,4% nos investimentos excluindo estoques.

A equipe de análise do Morgan Stanley comenta que essas retrações no consumo interno foram apenas parcialmente ofuscadas pelo resultado da Balança Comercial, que registrou um aumento de 1,8% nas exportações ante um colapso de 13,2% nas importações no trimestre.

“Isso revela uma combinação de retomada na demanda externa e fraqueza na demanda doméstica”, resumem os analistas do banco americano.

Por mais que tenha sido um dos únicos segmentos a crescer durante a crise, o desempenho do agronegócio frustrou algumas expectativas. Entre elas, a de Ricardo Jacomassi, economista-chefe da TCP Partners.

Jacomassi revela que previa alta de 2,5% no PIB do agronegócio no trimestre, mas essa perspectiva acabou sendo prejudicada pelos impactos no setor sucroalcooleiro, com a redução nas vendas de etanol.

O economista também se surpreendeu com o desempenho negativo do segmento de transportes, que caiu 19,3%.

 Profissão Day Trader: Quer gerar uma renda extra? Nesta série gratuita, Pam Semezzato explica como se tornar um day trader. Inscreva-se!

Ricardo Bomfim

Repórter do InfoMoney, faz a cobertura do mercado de ações nacional e internacional, economia e investimentos.