Pedidos de seguro-desemprego nos EUA saltam de 282 mil para 3,28 milhões em meio a coronavírus

Número reflete o impacto da pandemia de coronavírus na maior economia do mundo

Ricardo Bomfim

Pessoa desocupada

Publicidade

SÃO PAULO – O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos cresceu de 282 mil na semana encerrada no dia 13 para 3,28 milhões na semana passada, acima da expectativa mediana dos economistas do mercado financeiro compilada no consenso Bloomberg, que apontava para um aumento a 1,7 milhão de pedidos.

O dado era o mais esperado desta quinta-feira (26) apesar de ser dia de divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre. Isso porque o aumento nos pedidos por auxílio-desemprego dá uma dimensão do palpável do impacto econômico da pandemia de coronavírus no país mais rico do mundo.

Assim, os pedidos de desemprego na semana encerrada em 21 de março mais do que quadruplicaram em relação ao recorde anterior, de 695 mil pedidos em 1982, após já terem registrado um aumento para 282 mil na semana anterior.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

As projeções dos economistas para esse número variavam até 4,4 milhões.

Os pedidos aumentaram em todos os 50 estados e no Distrito de Columbia, com nove estados relatando aumentos de pelo menos 100 mil pedidos ante o último dado.

Aprendizados em tempos de crise: uma série especial do Stock Pickers com as lições dos principais nomes do mercado de ações. Assista – é de graça!

Ricardo Bomfim

Repórter do InfoMoney, faz a cobertura do mercado de ações nacional e internacional, economia e investimentos.