O Fed está confortável para sinalizar o início da queda dos juros?

Inflação desacelerando rumo à meta de 2% e economia ainda girando em ritmo forte dão argumentos tanto para quem vê o Fomc sinalizando corte já em março como para os defensores da cautela na política monetária

Roberto de Lira

Publicidade

Março, maio ou junho? O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) fecha sua primeira reunião de política monetária do ano com expectativa de manutenção da taxa diretora de juros dentro da banda entre 5,25% e 5,50% estabelecida em junho do ano passado e com esperanças pelo mercado de sinais a respeito da data de início do ciclo de cortes, o próximo movimento natural esperado para o Federal Reserve.

Um desses sinais deve vir da mudança ou da exclusão de uma frase dos últimos comunicados do banco central americano, que comentava a possibilidade de algum “aperto adicional” da política. “Acho que não estão mais avaliando quanto mais aperto é necessário. A questão é por quanto tempo esse aperto corrente será necessário”, comenta Marcos de Marchi, economista-chefe da Oriz Partners.

Mas é na avaliação dos últimos dados macroeconômicos que será possível acompanhar o termômetro do Fed. Na semana passada, foi anunciado que o PIB dos EUA cresceu vigorosos 3,3% no 4º trimestre, mais que a mediana das projeções de mercado e acima da taxa observada no 3º trimestre. Isso fortaleceu a tese de que a economia americana fará um pouso suave em 2024.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Em termos de inflação, a situação ficou ainda mais cômoda. O PCE, índice de preços relacionado ao consumo e considerado pelo Fed o mais preciso para observar a tendência, fechou o ano com taxa anualizada de 2,9%, a menor em mais de dois anos. E as medidas de núcleos de 3 e de 6 meses estão abaixo da meta de inflação oficial de 2%.

“Tem uma tranquilidade razoável com os dados recentes de inflação”, afirma Marchi. “Uma recessão está descartada e os dados de atividade só vêm confirmando este cenário. A inflação segue desacelerando, dando espaço para que o Fomc antecipe o início do ciclo de corte de juros”, pontua Andressa Durão, economista da ASA Investments.

Claudia Rodriques, economista do C6 Bank, no entanto, aposta que Fed não mostrará pressa em começar o ciclo de flexibilização. Ela reconhece que o “core” do PCE tem sido bem-comportado, mas alerta que várias medidas de inflação subjacente continuam bastante elevadas, em torno de 3%, na margem.

Continua depois da publicidade

“A parte da inflação relacionada a serviços, que está mais associada ao mercado de trabalho, segue alta. Apesar da desaceleração recente, o mercado de trabalho ainda está aquecido, mantendo salários crescendo acima da produtividade, o que pressiona custos e aumenta preços”, explica.

A opinião da Julius Baer é semelhante. Para a consultoria, o cenário de crescimento sólido da economia argumenta contra o envio de um sinal claro nesta semana de que os cortes nas taxas ocorrerão na próxima reunião do Fomc, em março. “Esperamos que este seja o caso no início de maio e não em março, e prevemos uma trajetória mais cautelosa de cortes nas taxas do que os mercados estão prevendo atualmente.

Visão “quase” de dentro

Uma visão importante sobre o diagnóstico que o Federal Reserve tem da situação foi dada nesta semana por James Bullard, que hoje é reitor a Escola de Negócios da Purdue University, mas que até julho passado estava no Fomc. “Eles (o Comitê) não querem entrar no segundo semestre de 2024 com a inflação já  em 2% e sem mudar a taxa básica. Isso seria tarde demais”, disse em podcast do The Wall Street Journal.

E qual deve ser o tom a ser adotado na comunicação do Fed em seu anúncio e do presidente Jerome Powell na entrevista coletiva desta quarta-feira? Marchi, da Oriz, acredita que a linha do discurso será de que ainda não dá para declarar vitória na guerra contra a inflação, mas que as batalhas estão sendo conquistadas mês a mês.

“E que a robustez da economia americana, o crescimento ainda acima do potencial, exige uma cautela quanto ao momento ideal para se iniciar o ciclo de cortes”, pondera o economista.

Para Bullard, o Comitê precisa de uma estratégia agora sobre como abordará 2024 e a possibilidade iminente de cortar a taxa básica de juros. “Eles querem reduzir essa taxa de forma organizada.”

Já Andressa Durão acredita que o Fomc pode suavizar mais o tom na reunião e abrir a porta para um corte de juros em março.