Núcleo da inflação do consumo (PCE) dos EUA sobe 0,1% em novembro ante outubro e 3,2% ante 2022

Índice cheio ficou em -0,1% na comparação mensal e de +2,6% na anual em novembro

Roberto de Lira

Publicidade

O núcleo do índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) nos Estados Unidos subiu 0,1% em novembro ante outubro e mostrou alta de 3,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (22) pelo Departamento de Comércio americano.

O núcleo do PCE exclui variações de preços de alimentos e energia, considerados mais voláteis.

Incluindo esses preços, a inflação cheia de consumo americana foi de -0,1% na base mensal e de +2,6% na anual em novembro.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O resultado ficou abaixo do esperado pelo mercado, uma vez que o consenso de analistas projetava estabilidade na inflação mensal (0,0%) e alta de 2,8% na comparação anual.

Os preços dos bens tiveram queda de 0,7% no mês, quanto os serviços subiram 0,2%. Os preços dos alimentos diminuíram 0,1% e os da energia caíram 2,7% em novembro.

Em relação ao mesmo mês do ano anterior, os preços dos serviços subiram 4,1% e os dos bens diminuíram 0,3%. Já os preços dos alimentos aumentaram 1,8% e os da energia caíram 6,0%.

Continua depois da publicidade

A renda pessoal nos EUA cresceu 0,4% no mês (o equivalente a US$ 81,6 bilhões), enquanto a renda pessoal disponível, que desconta os impostos correntes, cresceu na mesma proporção (0,4%), ou US$ 71,9 bilhões. Já despesas de consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) aumentaram US$ 46,7 bilhões (+0,2%).