Novas tecnologias ajudam regimes repressivos como Rússia e China, diz Soros

Para investidor, China e Rússia são as maiores ameaças às sociedades democráticas abertas hoje, graças ao "rápido desenvolvimento da tecnologia digital

Estadão Conteúdo

Publicidade

O investidor bilionário George Soros culpou as novas tecnologias por ajudarem regimes repressivos como Rússia e China a exercer maior controle.

Falando nesta terça-feira em um jantar para jornalistas à margem da reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, Soros disse que China e Rússia são as maiores ameaças às sociedades democráticas abertas hoje, graças ao “rápido desenvolvimento da tecnologia digital, especialmente inteligência artificial”.

A inteligência artificial “é particularmente boa em produzir instrumentos de controle que ajudam regimes repressivos e colocam em risco sociedades abertas”, disse ele.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Soros também falou sobre a guerra do presidente russo, Vladimir Putin, contra a Ucrânia e a decisão do líder chinês Xi Jinping de dobrar sua política de “covid zero”, que ele disse ser um grande erro porque empurrou a economia da China para uma “queda livre”.

Sobre a mudança climática, Soros disse que estava prestes a se tornar irreversível e “isso pode ser o fim de nossa civilização”.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.