No Japão, BoJ mantém taxa de juros de curto prazo em -0,1%

Em comunicado, o BoJ disse que espera atingir a meta de 2% para a inflação de forma "sustentável e estável, acompanhada pelo aumento de salários"

Estadão Conteúdo

Publicidade

O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) manteve inalteradas as principais referências que balizam a política monetária no país, conforme decisão divulgada nesta terça-feira (23). As taxas de juros de curto prazo foram mantidas em -0,1%, como era esperado pelo mercado.

O banco central japonês continuará a definir 1% como ponto de referência para o limite superior do rendimento dos títulos do governo japonês de 10 anos.

Nenhuma alteração foi feita na redação da orientação política do banco central, que afirma que persistirá “pacientemente” com a flexibilização monetária até que a inflação de 2% seja alcançada.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

À medida que os efeitos retardados dos custos mais elevados da energia e das matérias-primas diminuem, o Banco do Japão espera que os preços básicos ao consumidor (excluindo os voláteis produtos alimentícios frescos), aumentem 2,4% no ano fiscal de 2024, que começa em abril, abaixo da sua estimativa anterior de 2,8%.

Negociações salariais

No comunicado, o BoJ disse que espera atingir a meta de 2% para a inflação de forma “sustentável e estável, acompanhada pelo aumento de salários”.

O presidente do BoJ, Kazuo Ueda, afirmou, no entanto, que ainda não está totalmente confiante de que o crescimento dos salários e dos preços possa ser sustentado em um nível saudável, após o Japão ter vivido décadas de preços estáveis ou em queda.

Continua depois da publicidade

Com isso, a autoridade monetária pretende acompanhar de perto os resultados das negociações salariais anuais, previstas para março, para analisar se as companhias irão conceder aumentos maiores do que no ano passado.

(Com informações da Dow Jones Newswires)