No Brasil, diretora do FMI pede que BCs mantenham foco na meta de inflação

Em discurso na abertura da reunião na reunião de ministros das Finanças do G20, Kristalina Georgieva citou o BC do Brasil como exemplo positivo, por iniciado mais cedo a alta de juros

Estadão Conteúdo

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva Foto: Mark Wilson/Getty Images)

Publicidade

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, disse que os bancos centrais devem manter-se concentrados em “terminar o trabalho” de levar a inflação à meta.

Em discurso na segunda-feira (26) na reunião de ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20 (grupo que reúne as maiores economias do mundo), no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, ela disse que será preciso avaliar com cuidado quando e em que nível os BCs devem reduzir os juros mais adiante, para se garantir a convergência da inflação na meta.

Ela citou o Brasil como um exemplo positivo, por ter elevado juros cedo para controlar o quadro inflacionário. Georgieva ainda destacou a reforma tributária brasileira aprovada em 2023 como um caso de sucesso. Segundo ela, é crucial que os países elevem a receita e combatam ineficiências, e nesse sentido o Brasil “tem mostrado liderança nesta área, com sua reforma tributária histórica”, disse.

Continua depois da publicidade

Ela advertiu que muitos países estão para trás, com espaço para ampliar suas bases tributárias, fechar brechas e melhorar a administração tributária.

Desde ontem, a cidade de São Paulo sedia as reuniões financeiras do G-20 Brasil, que contará com a presença de ministros de finanças e presidentes de bancos centrais dos países do grupo. O Brasil assumiu a presidência rotativa do G-20 pela primeira vez em 1.º de dezembro, com mandato de um ano, e realizará 130 reuniões nas cinco regiões do país ao longo dos próximos 12 meses.

Diagnosticado com covid, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tinha uma agenda extensa com base na programação original do encontro, que incluía reuniões com a secretária do Tesouro norte-americana, Janet Yellen, e com Georgieva, do FMI, para tratar de questões relacionadas ao G-20 e também de bandeiras que são levantadas pelo País, como a busca de soluções para o endividamento de países muito pobres.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aula Gratuita

Os Princípios da Riqueza

Thiago Godoy, o Papai Financeiro, desvenda os segredos dos maiores investidores do mundo nesta aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.