Não estava confortável em largar guidance, diz Galípolo sobre última reunião do Copom

Para Galípolo, reduzir a magnitude do corte na taxa básica implicaria justificar que tinha acontecido uma mudança substancial no cenário

Reuters

O economista Gabriel Galípolo, indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para assumir a diretoria de Política Monetária do Banco Central (Foto: Pedro França/Agência Senado)

Publicidade

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, afirmou nesta segunda-feira (27) que não estava confortável em largar o “forward guidance” usado anteriormente nas decisões da autoridade monetária quando deu seu voto na última reunião do Copom.

O Comitê de Política Monetária do BC (Copom) reduziu neste mês o ritmo de afrouxamento monetário, cortando a Selic em 0,25 ponto percentual, a 10,50% ao ano, após seis reduções consecutivas de 0,50 ponto percentual. Galípolo foi um dos votos vencidos pelo corte de 0,50 p.p.

A decisão do colegiado significou o abandono da orientação futura dada na reunião anterior do Copom, que previa um corte de 0,50 ponto este mês.

Continua depois da publicidade

Em um evento promovido pela Liga de Mercado Financeiro da Universidade Federal de Itajubá, Galípolo também disse que reduzir a magnitude do corte na taxa básica implicaria justificar que tinha acontecido uma mudança substancial no cenário que justificava não cumprir o guidance.