Monitor do PIB mostra alta de 0,5% em novembro ante outubro, diz FGV

Em relação a novembro de 2022, houve avanço de 2,6% no PIB de novembro de 2023; embora o consumo das famílias tenha crescido, o destaque negativo foi a medida de investimentos (FBCF), que caiu 7,1% no mês

Estadão Conteúdo

(Getty Images)

Publicidade

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,5% em novembro ante outubro, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre). Em relação a novembro de 2022, houve avanço de 2,6% no PIB de novembro de 2023.

“O crescimento do PIB em novembro é reflexo do desempenho positivo das três grandes atividades econômicas (agropecuária, indústria e serviços).

Pela ótica da demanda, embora o consumo das famílias tenha crescido, destaca-se negativamente o desempenho da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF)”, avaliou em nota a coordenadora da pesquisa, Juliana Trece.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo Trece, no caso da FBCF, a forte retração de 7,1% em novembro, influenciada principalmente pelo fraco desempenho de máquinas e equipamentos, reflete-se diretamente na baixa taxa de investimentos. “Esses fatores indicam certa fragilidade desse crescimento, o que liga um alerta para o futuro”, afirmou.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

No acumulado em 12 meses até novembro, a atividade econômica teve um crescimento de 2,9%. A taxa de investimento em novembro foi de 16,9%; pouco acima da média histórica desde 2015 (16,4%), mas abaixo da média histórica desde 2000 (17,9%).

Continua depois da publicidade

No trimestre móvel encerrado em novembro, ante o mesmo mês do ano anterior, o PIB teve uma expansão de 2%. Nesse tipo de comparação, sob a ótica da demanda, o consumo das famílias subiu 2,8%, mantendo a trajetória de desaceleração no ritmo de crescimento, com menor contribuição de todas as categorias de consumo.

“Ainda assim, observa-se que, à exceção do consumo de produtos semiduráveis, todas as demais categorias de consumo cresceram”, observou a FGV.

Exportações

A exportação de bens e serviços cresceu 7,9% no trimestre móvel terminado em novembro. Apesar de elevado, este crescimento é o menor desde o trimestre findo em abril, de acordo com a FGV.

“O recuo de 8,2% da exportação de bens intermediários no trimestre ampliou a contribuição negativa deste tipo de bem, o que se refletiu no menor crescimento da exportação no trimestre. Ainda assim, as elevadas exportações de produtos agropecuários explicam o desempenho elevado das exportações no decorrer de todo o ano de 2023”, informou a Fundação.

O total das importações retraiu 2,8% no trimestre móvel findo em novembro. Segundo a FGV, as importações de bens intermediários seguem sendo a principal razão para a retração do total importado, no entanto, desde o trimestre findo em outubro, as importações de serviços têm contribuído positivamente, o que contribui para atenuar o recuo das importações.

Em termos monetários, estima-se que o acumulado do PIB até novembro em valores correntes, tenha sido de R$ 9,871 trilhões.