Mercado financeiro eleva projeções para inflação em 2022 e 2023, mostra Relatório Focus

Mediana apurada para IPCA, o índice de inflação oficial, de 2022 saltou de 5,15% para 5,38%; expectativa em 2023 voltou a subir, de 3,40% para 3,50%

Equipe InfoMoney

(Shutterstock)

Publicidade

Após nova surpresa para cima no IPCA-15 de janeiro (0,58%), a mediana apurada para IPCA, o índice de inflação oficial, de 2022 saltou no Relatório Focus, aumentando a distância do teto da meta deste ano (5,0%). A estimativa avançou de 5,15% para 5,38%, de 5,03% há um mês.

O objetivo a ser perseguido pelo Banco Central (BC) este ano é de 3,50%, com tolerância de 2,0% a 5,0%. Ou seja, o Boletim Focus segue indicando o segundo ano consecutivo de rompimento da meta. O IPCA de 2021 ficou em 10,06%.

Da mesma forma, a expectativa para o IPCA em 2023 voltou a subir, de 3,40% para 3,50%, se afastando do centro da meta (3,25%, banda de 1,75% a 4,75%). A mediana era 3,41% há quatro semanas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Considerando as 109 alterações nos últimos cinco dias úteis, a mediana para 2022 também subiu, de 5,17% para 5,45%. Para 2023, as 108 alterações feitas nos últimos cinco dias úteis levaram a estimativa mediana de 3,43% para 3,50%.

A mediana para 2024 continuou em 3,00%, assim como a de 2025 (3,0%). Há quatro semanas, ambas as projeções eram de 3,00%. A meta para 2024 é de 3,00%, com margem de 1,5 ponto porcentual (de 1,5% para 4,5%). Para 2025, por sua vez, a meta ainda não foi definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

No comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) de dezembro, o BC atualizou suas projeções para a inflação com estimativas de 4,7% em 2022 e 3,2% em 2023. O colegiado elevou a Selic em 1,5 ponto porcentual, para 9,25% ao ano.

Continua depois da publicidade

Outros meses

Após a surpresa de alta no IPCA-15 (0,58%), os economistas do mercado financeiro elevaram a previsão para o IPCA em janeiro deste ano, de 0,46% para 0,54%, conforme o Relatório de Mercado Focus, divulgado na manhã desta segunda-feira, 31, pelo Banco Central. Um mês antes, o porcentual projetado era de 0,47%.

Para fevereiro, a projeção no Focus passou de alta de 0,81% para 0,84%, de 0,71% há quatro semanas. Fechando o primeiro trimestre, a projeção para março variou de 0,48% para 0,50% no Relatório Focus. Há um mês, estava em 0,45%

A inflação suavizada para os próximos 12 meses acelerou de alta de 5,07% para 5,29% de uma semana para outra – há um mês, estava em 5,07%.

Projeções para a Selic se mantêm

Apesar da deterioração do cenário inflacionário doméstico e do ambiente externo, os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira, em 11,75% no fim de 2022. Há um mês, era de 11,50%. Mas, considerando apenas as 94 respostas nos últimos cinco dias úteis, a expectativa para a Selic no fim deste ano avançou de 11,75% para 11,88%.

Após subir a Selic em 1,50 ponto porcentual, de 7,75% para 9,25% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) indicou, no comunicado de dezembro, mais um aumento da mesma magnitude na reunião que ocorre esta semana, o que levaria a taxa a 10,75%.

O colegiado ainda garantiu que irá perseverar na estratégia de aperto monetário “até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas”, preocupado com o aumento das projeções de inflação e o risco de descolamento da inflação em prazos mais longos.

No Boletim Focus, o cenário para a taxa básica de juros da economia foi mantido para os anos seguintes. A estimativa do Focus para a taxa Selic no fim de 2023 continuou em 8,00%, ante igual taxa há quatro semanas. Para 2024, ficou em 7,00%, mesmo porcentual de um mês atrás. Da mesma forma, a previsão para o fim de 2025 continuou em 7,00%, repetindo a taxa de quatro semanas atrás.

PIB

O Relatório mostrou aumento marginal na previsão mediana para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2022, que passou de 0,29% para 0,30%. Há um mês, a estimativa era de 0,36%. Considerando apenas as 58 respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2022 passou de 0,41% para 0,32%.

O boletim não traz mais a expectativa para o resultado do PIB do ano passado. Para 2023, a mediana cedeu, de 1,69% para 1,55% – de 1,80% há quatro semanas. Para 2024, a estimativa seguiu em 2,00%, mesma projeção de quatro semanas atrás. O Focus ainda trouxe a mediana para 2025, que também continuou em 2,00%. Há um mês, a estimativa de crescimento do PIB em 2025 já era de 2,0%.

O Relatório de Mercado Focus também mostrou hoje que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2022 cedeu de 62,48% para 62,35%, ante 63,00% de um mês atrás.

O relatório trouxe ainda alteração na relação entre o déficit primário e o PIB deste ano, de 0,94% para 1,00%. Há um mês, o porcentual estava em 1,05%. Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2022 passou 8,00% para 8,20%. Há quatro semanas, estava 7,40%.

Em relação a 2023, a estimativa para a dívida líquida em relação ao PIB passou de 66,00% para 66,42%, de 65,20% há um mês. A mediana para o déficit primário variou de 0,60% do PIB para 0,65%, e para rombo nominal mudou de 6,88% para 7,35% do PIB. Os porcentuais eram de 0,70% e 6,50%, respectivamente, há quatro semanas.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Déficit em c/c

Os economistas do mercado financeiro alteraram a projeção de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos em 2022, de US$ 24,25 bilhões para US$ 23,43 bilhões, ante US$ 21,59 bilhões de um mês atrás. Em 2023, a expectativa para o rombo em conta corrente passou de US$ 31,12 bilhões para US$ 34,73 bilhões. Há um mês, era de US$ 27,50 bilhões.

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será suficiente para cobrir o resultado deficitário nesses anos. A mediana das previsões para o IDP em 2022 subiu de US$ 58,00 bilhões para US$ 60,00 bilhões, ante US$ 58,05 bilhões de um mês antes. Para 2023, continuou em US$ 70,00 bilhões, mesmo valor de quatro semanas antes.

No caso da balança comercial em 2022, a estimativa de superávit passou de US$ 56,00 bilhões para US$ 57,20 bilhões, de US$ 55,00 bilhões de um mês atrás. Para 2023, passou de US$ 50,65 bilhões para US$ 51,00 bilhões, mesmo montante projetado há um mês.

(com Estadão Conteúdo)

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.