MDIC diz esperar recorde de exportações em 2024 mesmo em meio a cenário externo desafiador

Secretária de Comércio Exterior também ressaltou que, pela primeira vez, o Brasil ultrapassou a marca de US$ 100 bilhões exportados à China.

Estadão Conteúdo

(Divulgação)

Publicidade

A secretária de Comércio Exterior, Tatiana Prazeres, destacou na sexta-feira, 5, que a previsão de novo recorde de exportações em 2024 é feita mesmo num cenário externo mais desafiador para a economia global. Segundo ela, apesar de haver uma “interrogação” em relação aos preços, a expectativa é de que o recorde seja alcançado especialmente em razão do aumento de volume exportado.

“A estimativa de aumento de exportações está relacionada, sobretudo, ao aumento de quantidade exportada”, disse Prazeres.

A fala da secretária ocorreu durante a apresentação dos resultados da balança comercial em 2023.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ela também ressaltou que, pela primeira vez, o Brasil ultrapassou a marca de US$ 100 bilhões exportados à China.

O montante é o maior valor já exportado pelo Brasil a um parceiro comercial. Foram US$ 105,7 bilhões em vendas ao país asiático no ano passado.

Volume

Continua depois da publicidade

O diretor de Estatísticas e Estudos de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Herlon Brandão, disse que o cenário internacional faz com que a equipe acredite que as exportações em 2024 continuarão a ser favorecidas pelos volumes vendidos.

A previsão do MDIC é de que, neste ano, a balança alcance novo recorde de vendas ao exterior, com valor de US$ 348,2 bilhões, ante US$ 339,7 bilhões registrado no ano passado.

Mesmo com o avanço de 2,5%, a expectativa é de que o saldo da balança comercial recue 4,5% em relação a 2023, em razão do aumento das importações esperado para este ano. Em 2023, as compras fecharam em US$ 240,8 bilhões, e a projeção é de que esse número avance para US$ 253,8 bilhões em 2024 – alta de 5,4%.

Os técnicos do MDIC explicaram que o impulso esperado para as importações se deve especialmente ao aumento da atividade econômica brasileira registrado no ano passado, o que impulsiona as compras na balança comercial, assim como o nível do câmbio. “Em 2023, tivemos redução expressiva de importações e há mudança nesse cenário em 2024”, observou também Tatiana Prazeres.

Já em relação às exportações, influenciadas pela demanda externa e preços, Brandão aponta que o País atingiu uma marca já muito alta em 2023, com destaque para o dado de dezembro, que também foi recorde para o mês (US$ 28,839 bilhões). No ano, o volume de exportação também foi o maior da série histórica.

“A exportação em dezembro ficou muito acima, isso influencia a série para frente. Mas a tendência se mantém em crescimento. E o cenário internacional nos leva a acreditar que será o volume que continuará puxando a exportação”, disse Brandão.

Minério

O diretor de Estatísticas e Estudos de Comércio Exterior do MDIC ainda afirmou que as exportações de minério de ferro em 2023 surpreenderam “muito”. Ele apontou que, mesmo a economia chinesa apresentando um comportamento mais fraco, o país asiático continuou demandando o produto brasileiro.

Em 2023, o valor total de exportação de minério de ferro e seus concentrados cresceu 5,5%, puxado pela alta de volume vendido, de 10%, contra um recuo nos preços de 4,1%.

Brandão também destacou o valor total das exportações à China, que atingiram nível recorde em 2023. Foram US$ 105,7 bilhões, alta de 16,5% em comparação com 2022, puxada pelo crescimento do volume exportado, em 29,8%. Já os preços caíram 10%.

Outro fator ressaltado por ele foi o crescimento das exportações para a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), que corresponderam a 7,2% das vendas brasileiras ao exterior no ano passado – número maior que o do Mercosul, que ficou com participação de 6,9% das exportações.