Líder do partido de extrema-direita AfD defende saída da Alemanha da UE

Alice Weidel confirmou ao FT que seu partido fará um referendo similar ao do "Brexit" caso chegue ao poder; o AfD tem sido alvo de protestos após divulgação de plano de deportações em massa

Roberto de Lira

Bandeira da Alemanha (Foto: Getty Images)

Publicidade

Em meio a críticas e a manifestações a favor da democracia que reuniram centenas de milhares de pessoas no último final de semana, Alice Weidel, líder do partido de extrema direita da Alemanha AfD, defendeu que o país tenha um referendo para votar uma proposta de saída da União Europeia, processo chamado de “Dexit”.

Em entrevista o jornal Financial Times, Weidel disse que o modelo adotado pelo Reino Unido em 2016 (o ‘Brexit”) deve ser seguido pelo maior membro da aliança europeia. “É um modelo para a Alemanha, em que um país pode tomar a decisão soberana de sair”, disse, confirmando que fará campanha por uma votação desse tipo se o partido chegar ao poder.

Esse foi um dos primeiros pronunciamentos públicos do partido desde o início de uma onda de protestos em todo o país contra o AfD, desencadeada após ter sido divulgado que o partido fez parte uma reunião em que apresentou um plano para deportações em massa de estrangeiros e outros cidadãos com passaporte alemão. No encontro, havia também lideranças neonazistas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Weidel disse que o partido quer apenas usar as própria leis alemãs para repatriar pessoas que não devem estar na Alemanha. “A AfD é o partido que pretende reforçar as leis do país”. Oficialmente, o partido classificou a reunião como privada e não uma reunião oficial do partido.

Defesa da democracia

Desde a última sexta-feira, foram registradas grandes manifestações contra as propostas do AfD em todo a Alemanha, algumas sendo interrompidas por reunirem mais gente do que o previsto.

No domingo, 100 mil pessoas compareceram em Berlim, outras 100 mil em Munique, 75 mil em Colônia e 45 mil em Bremen, segundo dados oficiais. A marcha de Munique foi cancelada pelos próprios organizadores por razões de segurança.

Continua depois da publicidade

Mas o partido de Weidel está vivendo seu momento de maior popularidade na Alemanha desde a sua formação, em 2013. Nos estados alemães mais a leste, o partido tem obtido uma popularidade de cerca de 30% em sondagens eleitorais, ultrapassando em certos locais os principais partidos alemães, como o SPD, de Olaf Scholz, e o CDU, de Angela Merkel.