IPCA de dezembro acelera para 0,56% e fecha o ano em 4,62%, maior que o esperado

Consenso de analistas estimava inflação de 0,48% na comparação mensal e de 4,54% em 12 meses; Em dezembro, todos os nove grupos de produtos e serviços registraram alta

Roberto de Lira

Alimentos no domicílio e serviços subjacentes foram "vilões" da inflação em janeiro

Publicidade

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o indicador de inflação oficial do País, subiu 0,56% em dezembro, o que significou uma aceleração em relação aos 0,28% de novembro, informou nesta quinta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso a inflação acumulada em 2023 foi de 4,62%, ante 5,79% em 2022.

Os dados ficaram acima do esperado: o consenso LSEG de analistas estimava inflação de 0,48% na comparação mensal e de 4,54% em 12 meses.

Em dezembro, todos os nove grupos de produtos e serviços investigados pela pesquisa registraram alta.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Alimentos

A maior alta veio de alimentação e bebidas (1,11%), grupo que acelerou em relação ao mês anterior (0,63%) e exerceu o maior impacto sobre o resultado geral (0,23 ponto percentual).

Segundo André Almeida, gerente da pesquisa, o aumento da temperatura e o maior volume de chuvas em diversas regiões do país influenciaram a produção dos alimentos, principalmente dos itens in natura, como os tubérculos, hortaliças e frutas, que são mais sensíveis a essas variações climáticas.

“No caso do arroz, que registrou alta pelo quinto mês seguido, a produção foi impactada pelo clima desfavorável”, disse o pesquisador em nota. “Já a alta do feijão tem relação com a redução da área plantada, o clima adverso e o aumento do custo de fertilizantes”, completa.

Continua depois da publicidade

No mesmo período, a alimentação fora do domicílio também acelerou, dos 0,32% de novembro para 0,53% em dezembro, com as altas mais fortes do lanche (0,74%) e da refeição (0,48%).

Transportes

O grupo dos transportes teve alta de 0,48% no mês é foi o segundo que mais contribuiu para o índice geral (0,10 p.p). O destaque foi novamente para os preços das passagens aéreas, continuaram subindo (8,87%).

Dezembro foi o quarto mês seguido com variações positivas desse subitem, que representou o maior impacto individual sobre a inflação do país (0,08 p.p.).

Por outro lado, todos os combustíveis pesquisados (-0,50%) tiveram deflação: óleo diesel (-1,96%), etanol (-1,24%), gasolina (-0,34%) e gás veicular (-0,21%).

“Pelo fato de a gasolina ser o subitem de maior peso entre os 377 pesquisados pelo IPCA, essa queda segurou o resultado no índice do mês”, ressaltou o pesquisador. Em dezembro, os preços desse combustível caíram pelo terceiro mês consecutivo.

Habitação

Já em Habitação (0,34%), que desacelerou na comparação com novembro (0,48%), os destaques foram as altas da energia elétrica residencial (0,54%), da taxa de água e esgoto (0,85%) e do gás encanado (1,25%). Os demais grupos registraram os seguintes resultados: Artigos de residência (0,76%), Vestuário (0,70%), Despesas pessoais (0,48%) Saúde e cuidados pessoais (0,35%), Educação (0,24%) e Comunicação (0,04%).