Inflação mensal na Argentina em dezembro deve ser a mais alta desde 1990

Projeções ressaltam o desafio que o país enfrenta, com uma inflação anual que deve chegar a 200%, uma das taxas mais altas do mundo

Reuters

(TexBr/iStock/Getty Images Plus)

Publicidade

BUENOS AIRES (Reuters) – A taxa de inflação mensal da Argentina provavelmente subiu para 28% em dezembro, o que seria a maior desde o início de 1990, impulsionada por uma forte desvalorização do peso no mês passado pelo novo governo do presidente libertário Javier Milei.

A mediana das previsões de 20 analistas locais e estrangeiros ouvidos pela Reuters ressalta o desafio que o país enfrenta, com uma inflação anual que deve chegar a 200%, uma das taxas mais altas do mundo.

Milei, um ‘outsider’ que assumiu o cargo em meados de dezembro devido à raiva dos eleitores em relação à elite política, promoveu uma desvalorização de mais de 50% do peso, uma moeda debilitada e artificialmente forte.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Isso desencadeou uma onda de inflação reprimida, com os custos de alimentos, vestuário e transporte sofrendo um forte ajuste após a desvalorização, que tinha como objetivo reduzir a enorme diferença entre a taxa de câmbio oficial e as taxas paralelas amplamente utilizadas.

“A aceleração foi claramente impulsionada pela acomodação dos preços que foi artificialmente atrasada”, disse Eugenio Mari, economista-chefe da Fundación Libertad y Progreso.

“O principal fator foi a taxa de câmbio no atacado. Isso elevou os preços dos bens comercializáveis, especialmente em alimentos e bebidas, que aumentaram cerca de 35% ao mês.”

Continua depois da publicidade

As projeções dos analistas variavam de 16,9% a um pico de 31,5% para o mês. A agência oficial de estatísticas Indec divulgará os dados oficiais na quinta-feira.

A inflação galopante, que tem aumentado constantemente nos últimos anos devido aos profundos déficits fiscais, à baixa confiança no peso e à impressão de dinheiro para financiar o governo, é uma parte fundamental da pior crise econômica da Argentina em duas décadas.

Milei, que alertou sobre o risco de hiperinflação sem suas medidas de austeridade e cortes de gastos planejados, reconheceu que a inflação provavelmente ficará em torno de 30% em dezembro, embora tenha dito que poderia ter sido pior.