Inflação estaria em 9%, se não fosse corte de impostos, diz presidente do BC

Em entrevista, Lula criticou a manutenção da Selic nos níveis atuais, enquanto a inflação já está rodando abaixo de 6%.

Estadão Conteúdo

José Cruz/Agência Brasil

Publicidade

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, repetiu nesta quinta-feira, 19, que parte da desinflação ocorrida nos últimos meses decorreu do corte de impostos sobre combustíveis e energia elétrica. “A inflação estaria em 9%, e não em 5,8%, se não fosse essa redução de impostos”, respondeu, em palestra na a UCLA Anderson School of Management.

Em entrevista na quarta-feira, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, criticou a manutenção da Selic nos níveis atuais, enquanto a inflação já está rodando abaixo de 6%.

Leia também: Campos Neto relativiza crítica de Lula, mas reforça defesa à independência do BC

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Campos Neto lembrou que mesmo as autoridades monetárias de países desenvolvidos estão subindo mais os juros para conter o movimento inflacionário global.

“Entendemos que nossa taxa de juros está alta”, admitiu o presidente do BC. “Mas não manejamos curva futura, só meta a Selic. Não ajudaria em nada cortar juro de curto prazo, porque os investimentos usam taxas de longo prazo”, completou.