Inflação do consumidor (CPI) na zona do euro recua para 2,6% em fevereiro

Expectativas de analistas era de um CPI anualizado de 2,5% no mês passado; o núcleo do índice também desacelerou pouco, de 3,3% para 3,1% entre janeiro e fevereiro

Reuters

Preços de produtos em feira em Nantes, na França (Reuters/Stephane Mahe)

Publicidade

Frankfurt (Reuters) – A inflação da zona do euro perdeu força em fevereiro, mas a variação de preços subjacentes ainda permaneceu forte, reforçando o argumento de que o Banco Central Europeu (BCE) deve manter as taxas de juros em níveis recordes por mais algum tempo antes de começar a afrouxar a política monetária em meados do ano.

A inflação em toda a zona do euro, composta por 20 países, caiu para 2,6% em fevereiro, de 2,8% no mês anterior, um pouco abaixo das expectativas de 2,5% do consenso LSEG de analistas, segundo dados da agência de estatísticas da UE, a Eurostat.

Porém o núcleo do índice, que exclui os preços voláteis de alimentos e combustíveis, desacelerou apenas de 3,3% para 3,1%, ante expectativas de 2,9% e mantendo-se desconfortavelmente acima da meta de 2% do BCE.

Continua depois da publicidade

Expectativa por juros

O BCE tem mantido sua taxa de depósito em um nível recorde de 4% desde setembro, mas conversas sobre afrouxamento vêm ganhando força e as autoridades estão agora debatendo o cronograma para cortes nas taxas e não se uma reversão é apropriada.

O BCE aumentou os juros em tempo recorde a partir de meados de 2022, depois que a inflação subiu acima de 10%, mas o crescimento dos preços agora está se aproximando da meta de 2%. Autoridades já disseram que as novas projeções, que serão divulgadas na próxima quinta-feira, provavelmente mostrarão um retorno mais rápido à meta.

Ainda assim, é improvável que os dados de fevereiro aliviem as preocupações persistentes sobre as pressões dos preços subjacentes, uma vez que a inflação no setor de serviços diminuiu apenas de 4,0% para 3,9%.

A principal preocupação do BCE é que a inflação salarial está muito rápida e, a menos que os trabalhadores comecem a mostrar alguma moderação em breve, os preços poderão avançar.

Os salários devem crescer mais de 4,5% este ano e o BCE há muito tempo defende que qualquer valor acima de 3% é inconsistente com sua meta de inflação.

Aula Gratuita

Os Princípios da Riqueza

Thiago Godoy, o Papai Financeiro, desvenda os segredos dos maiores investidores do mundo nesta aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.