Inflação da construção sobe 0,26% em dezembro e desacelera para 2,55% em 2023

Foi a menor taxa anual do Sinapi desde o ano de 2014; custo nacional da construção por metro quadrado passou em dezembro para R$ 1.722,19

Roberto de Lira

(Getty Images)

Publicidade

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) teve variação de 0,26% em dezembro, uma alta de 0,18 ponto percentual (p.p.) em relação a outubro (0,08%), informou nesta quinta-feira (11) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dessa forma, indicador fechou o ano com alta de 2,55%, numa queda de 8,35 pontos percentuais em relação à taxa acumulada de 2022.

“Esta taxa é a menor desde o ano de 2014, período comparado para a série com a desoneração da folha de pagamento”, destacou em nota o gerente do Sinapi, Augusto Oliveira.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em novembro fechou em R$ 1.717,11, passou em dezembro para R$ 1.722,19, sendo R$ 1.001,89 relativos aos materiais e R$ 720,30 à mão de obra.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A parcela dos materiais teve variação de 0,27% no mês, subindo 0,19 ponto percentual em relação a novembro, e registrando a segunda maior taxa da categoria no ano, ficando atrás apenas do mês de abril (0,42%). Em relação ao índice de dezembro de 2022 (0,07%), houve aumento de 0,20 ponto percentual. “No ano, o acumulado da parcela de materiais ficou em 0,06%, também registrando a menor taxa desde 2014”, comparou Oliveira.

Já a mão de obra teve taxa de 0,24%, subindo 0,16 ponto percentual em relação tanto ao mês anterior (0,08%), quanto a dezembro de 2022 (0,08%).

“Chegamos ao fim de 2023 com resultados que indicam uma menor influência da parcela dos materiais e participação mais efetiva, mas dentro da normalidade, da parcela da mão de obra. Diferente do observado nos anos de 2020, 2021 e 2022”, destacou o gerente do Sinapi.