Indústria continua inibida e dependente do setor extrativo, dizem economistas

Ainda que três das quatro categorias econômicas e 14 das 25 atividades tenham crescido em dezembro em relação a novembro, os setores mais cíclicos continuam a sofrer com as condições adversas

Roberto de Lira

Setores como o de extração de petróleo têm segurando a produção industrial nos últimos meses (Shutterstock)

Publicidade

A produção industrial brasileira surpreendeu novamente, ao registrar alta de 1,1% em dezembro ante novembro, acima até das estimativas mais otimistas do mercado. Mas os economistas alertam que, mais uma vez, a atividade teve desempenho desigual entre os setores: enquanto a indústria extrativa exerceu forte impacto positivo, o segmento de bens de capital continuou a sofrer os efeitos do crédito ainda restrito.

Claudia Moreno, economista do C6 Bank, afirma que, mesmo com a alta acima do projetado, no ano, o setor registrou um aumento de apenas 0,2%, o que mostra que a indústria continua enfrentando dificuldades para crescer de forma consistente.

“O resultado mais forte de dezembro pode ser atribuído ao desempenho da indústria extrativa, que cresceu 2,2%. Apesar de ser um segmento muito volátil, os dados dos últimos meses mostram que a indústria extrativa vem seguindo uma tendência de alta, que pode estar relacionada ao aumento da produção de petróleo”, explica.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No entanto, a indústria de bens de capital encolheu 1,2% em dezembro. Esse grupo é o mais afetado pelos juros altos, que acabam inibindo investimentos na ampliação da capacidade instalada de máquinas e equipamentos.

“Quando olhamos para todo o ano de 2023, os dados confirmam essas assimetrias de desempenho. Enquanto a indústria extrativa cresceu 7%, a de transformação sofreu uma retração de 1%. Já a indústria de bens de capital sofreu uma queda de 11,1%”, compara.

A análise do Goldman Sachs vai na mesma linha. O banco de investimentos cita, por exemplo, que a produção de bens capital recuou pelo quarto mês seguido e pelo sexto trimestre consecutivo.

Continua depois da publicidade

“No futuro, espera-se que o setor industrial continue a enfrentar dificuldades decorrentes das condições financeiras restritivas, das condições de crédito exigentes e do abrandamento da demanda externa”, diz o banco em relatório.

A XP, também foca sua análise nos sinais mistos que a produção industrial tem apresentado. Ou seja, ainda que três das quatro categorias econômicas e 14 das 25 atividades tenham crescido em dezembro em relação a novembro, os setores mais cíclicos permanecem inibidos.

“Pelas nossas estimativas, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), considerando as contas do PIB, despencou 3,5% no ano passado”, comenta a XP, citando a principal medida de investimentos. “Por sua vez, a produção de bens de consumo duráveis saltou 6,3% mês a mês em dezembro”, compara.

A XP chama a atenção para o forte aumento dos setores de Produtos Alimentares (+2,1% no mês e +4,9% no trimestre) e de Vestuário e Calçados (+14,5% e + 2,4%, respectivamente). “A queda da inflação de curto prazo e o forte aumento do rendimento disponível das famílias impulsionaram essas categorias recentemente”, explica.

A expectativa da XP é que a produção industrial geral aumente aproximadamente 2% em 2024. Com isso, o XP Tracker para o crescimento do PIB do 4º trimestre subiu para 0,15% ante o terceiro trimestre e para 2,35% na comparação com o mesmo trimestre de 2022. Isso é compatível com um aumento de 3,0% em 2023. “Nossa projeção de um crescimento de 1,5% no PIB em 2024 está inclinada para cima.”