Índice de Preços de Alimentos da FAO cai 1,53% em dezembro e recua 13,7% no ano

FAO atribui o resultado de dezembro às baixas nos índices de óleos vegetais, açúcar e carne, que compensaram as altas nos cereais e produtos lácteos

Estadão Conteúdo

(Bloomberg)

Publicidade

O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) recuou 1,5% em dezembro em comparação com o mês anterior. A média ficou em 118,5 pontos no último mês do ano, 1,8 ponto a menos que o resultado de novembro. Em comparação com o mesmo mês em 2022, o índice recuou 13,3 pontos (10,1%).

No consolidado de 2023, o índice registrou 124 pontos, 19,7 pontos (13,7%) abaixo do valor médio do ano anterior.

A FAO atribui o resultado de dezembro às baixas nos índices de óleos vegetais, açúcar e carne, que mais do que compensaram as altas nos índices de cereais e produtos lácteos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Cereais

O subíndice de preços dos cereais registrou média de 122,8 pontos em dezembro, 1,8 pontos (1,5%) a mais ante novembro, mas ainda 24,4 pontos (16,6%) abaixo do valor de um ano atrás.

No mês, os preços de exportação do trigo subiram com as perturbações logísticas relacionadas ao clima em países exportadores e tensões no Mar Negro. Os preços mundiais do milho também se fortaleceram, com as preocupações com o plantio da segunda safra no Brasil e as restrições logísticas que dificultaram os embarques da Ucrânia. Já o subíndice do arroz subiu 1,6% no mês.

No ano todo, o subíndice de cereais ficou em 130,9 pontos, 23,8 pontos (15,4%) abaixo da média anual recorde de 2022.

Continua depois da publicidade

Óleos vegetais

O levantamento mensal da FAO também mostrou que o subíndice de preços dos óleos vegetais registrou média de 122,4 pontos em dezembro, 1,7 pontos (1,4%) a menos em relação a novembro. Conforme a FAO, o recuo ocorreu devido aos preços mundiais mais baixos dos óleos de palma, de soja, de colza e de girassol.

No mês, o óleo de soja caiu mais de 3%, com a queda na demanda do setor de biodiesel e as condições climáticas favoráveis em partes das principais regiões de cultivo no Brasil. Em 2023, o subíndice ficou em 126,3 pontos, queda acentuada de 61,5 pontos (32,7%) em relação a 2022, marcando uma baixa de três anos em meio ao aumento das ofertas globais.

Carne

O subíndice de preços da carne da FAO teve média de 110,4 pontos no mês passado, recuo de 1,1% ante novembro e 2 pontos (1,8%) abaixo da pontuação de 2022. Em dezembro, os preços da carne suína caíram com a fraca demanda da Ásia. Enquanto isso, os preços da carne bovina e de aves também cederam, com o interesse de compra menor na Ásia e as ofertas robustas em regiões produtoras.

No ano todo, o subíndice teve uma média de 114,6 pontos, recuo de 4,2 pontos (3,5%) ante 2022, com o aumento da oferta em meio à fraca demanda de importação, refletindo quedas nos valores médios anuais das carnes bovina, de aves e ovina, mas aumento da carne suína.

Lácteos

O relatório mostrou, ainda, que o subíndice de preços de lácteos teve uma média de 116,1 pontos em dezembro, aumento de 1,9 pontos (1,6%) em relação a novembro, a terceira alta mensal seguida, mas ainda 22,2 pontos (16,1%) abaixo do valor de um ano antes. Conforme a FAO, o avanço no mês foi liderado pelos preços mais altos da manteiga, do leite em pó integral e do queijo.

Por outro lado, os preços mundiais do leite em pó desnatado caíram ligeiramente. Em 2023, o subíndice teve média de 118,8 pontos, perda de 23,6 pontos (16,6%) ante o ano anterior, com a fraca demanda de importação e os estoques amplos.

Açúcar

De acordo com a instituição, o subíndice de preços do açúcar teve uma média de 134,6 pontos em dezembro, baixa de 26,8 pontos (16,6%), o menor valor em nove meses. Ainda assim, as cotações internacionais ficaram 17,5 pontos (14,9%) acima do mesmo mês no ano passado.

A queda mensal é atribuída ao forte ritmo de produção no Brasil e as exportações robustas do País, juntamente com retornos menores nas vendas de etanol.

Além disso, a decisão do governo da Índia de limitar o uso de cana-de-açúcar para a produção de etanol exerceu pressão adicional. Para 2023, o subíndice teve média de 145 pontos, aumento de 30,6 pontos (26,7%) em relação a 2022 e o valor mais alto desde 2011, principalmente devido a preocupações com um equilíbrio global do açúcar mais apertado.