IGP-M cai 0,95% em abril e acumula queda de 2,17% em 12 meses; consenso era de -0,74%

Em abril de 2022, o índice tinha mostrado variação positiva de 1,41% e acumulava alta de 14,66% em 12 meses, segundo o FGV/Ibre

Roberto de Lira

(Getty Images)

Publicidade

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) caiu 0,95% em abril, após alta de 0,05% em março, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (27) pelo FGV/Ibre. Com o resultado, o índice acumula retração de 0,75% no ano e queda de  2,17% em 12 meses. O consenso Refinitiv esperava queda menos intensão do indicador no mês, de 0,74%.

Em abril de 2022, o índice tinha mostrado variação positiva de 1,41% e acumulava alta de 14,66% em 12 meses.

Segundo André Braz, coordenador dos índices do FGV/Ibre, os preços de importantes commodities para o setor produtivo seguem em queda: soja (-9,34%), milho (-4,33%) e minério de ferro (-4,41%). Isso abre espaço para a descompressão dos custos de segmentos varejistas favorecendo a chegada desses efeitos nos preços ao consumidor.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“O IPC, ainda que esteja registrando desaceleração, segue pressionado pelos reajustes de preços administrados, como gasolina (2,39%), energia (1,31%) e medicamentos (2,02%). Além disso, os serviços livres também persistem com inflação em elevado patamar. Entre os itens deste segmento, vale destacar o aluguel residencial com alta de 1,31% em abril”, afirmou em nota.

IPA

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) caiu 1,45% em abril, após também ter mostrado retração de 0,12% em março. Na análise por estágios de processamento, a taxa do grupo Bens Finais variou 0,81% em abril. No mês anterior, a taxa do grupo havia subido 0,12%.

A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de -0,96% para 0,65%, no mesmo período. O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, subiu 0,80% em abril, após queda de 0,15% no mês anterior.

Continua depois da publicidade

A taxa do grupo Bens Intermediários também registrou nova queda, passando de -1,08% em março para -1,74% em abril. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cujo percentual passou de -0,52% para -1,23%.

O índice de Bens Intermediários (ex), obtido após a exclusão do subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, caiu 1,05% em abril, após queda de 0,63% em março.

Já o estágio das Matérias-Primas Brutas caiu 3,20% em abril, após variar 0,71% em março. Contribuíram para a queda do grupo os seguintes itens: minério de ferro (4,95% para -4,41%), soja em grão (-3,24% para -9,34%) e milho em grão (-1,34% para -4,33%).

No sentido oposto, destacam-se os seguintes itens: bovinos (-2,47% para 2,65%) leite in natura (1,06% para 1,99%) e arroz em casca (-1,65% para 2,32%).

IPC

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,46% em abril, desacelerando em relação aos 0,66% observados em março. Três das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação.

A maior contribuição partiu do grupo Transportes, cuja taxa de variação passou de 2,22%, para 0,85%. Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item gasolina, cujo preço variou 2,39%, ante 6,52% na edição anterior.

Também apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: Habitação (0,84% para 0,62%) e Comunicação (0,46% para 0,21%). Nestas classes de despesa, vale mencionar os seguintes itens: aluguel residencial (2,73% para 1,31%) e tarifa de telefone móvel (1,18% para 0,55%).

Em contrapartida, os grupos Educação, Leitura e Recreação (-1,50% para -0,96%), Alimentação (0,14% para 0,36%), Vestuário (0,20% para 0,31%), Despesas Diversas (0,13% para 0,18%) e Saúde e Cuidados Pessoais (1,00% para 1,01%) apresentaram avanço em suas taxas de variação.

Estas classes de despesa foram influenciadas pelos seguintes itens: passagem aérea (-8,21% para -5,59%), hortaliças e legumes (-2,75% para -0,68%), calçados (-0,01% para 0,73%), tarifa postal (0,37% para 2,08%) e medicamentos em geral (0,21% para 2,02%).

INCC

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 0,23% em abril, ante 0,18% em março. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de março para abril: Materiais e Equipamentos (-0,07% para 0,14%), Serviços (0,88% para 0,65%) e Mão de Obra (0,27% para 0,23%).