Governo prorroga prazos de suspensão de contratos e redução de jornada

O decreto permite que a suspensão do contrato e a redução de salários e jornada se estendam por até 120 dias

Allan Gavioli

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao lado de seu ministro da Economia, Paulo Guedes (Crédito: Edu Andrade/Ascom/ME)

Publicidade

SÃO PAULO – Nesta terça-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro editou o decreto que prorroga o período em que as empresas poderão suspender contratos de trabalho e reduzir jornadas e salários dos funcionários. As duas medidas passam a ter prazo máximo de 120 dias.

O decreto Nº10.422 foi publicado na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União (DOU) e conta com as assinaturas do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes,

“Este decreto prorroga os prazos para celebrar os acordos de redução proporcional de jornada e de salário e de suspensão temporária do contrato de trabalho e para efetuar o pagamento dos benefícios emergenciais de que trata a Lei nº 14.020, de 6 de julho de 2020”, diz o texto publicado no Diário Oficial da União.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A medida provisória inicial, que foi sancionada e transformada em lei, previa a suspensão dos contratos de trabalho por até dois meses e a redução da jornada e de salários em até 70% por até três meses. Com o decreto de hoje, a redução passa a valer por quatro meses em vez de três e a suspensão de contratos, que valia por dois meses, é ampliada para quatro.

“A justificativa é que a ampliação do tempo prevista na Lei nº 14.020, de 6 de julho de 2020, irá permitir que empresas tenham tempo hábil para se reestruturar, preservando, assim, diversos postos de trabalho”, afirma o comunicado da Secretaria-Geral da Presidência da República.

O decreto determina ainda que o trabalhador que tiver contrato de trabalho intermitente, formalizado até 1º de abril – data em que foi editada a Medida Provisória 936 que permitiu a redução de salário e jornada e a suspensão dos contratos – terá direito a receber por um quarto mês o auxílio emergencial de 600 reais, dado pelo Governo Federal durante a pandemia.

Allan Gavioli

Estagiário de finanças do InfoMoney, totalmente apaixonado por tecnologia, inovação e comunicação.