AstraZeneca será prioridade

Governo de SP anuncia datas de vacinação para idosos entre 60 e 64 anos de idade

Esses públicos poderão receber vacinas contra Covid-19 entre fim de abril e começo de maio; fase contempla mais de 2 milhões de pessoas

(Pixabay)

SÃO PAULO – João Doria, governador de São Paulo, anunciou em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (14) duas novas datas de vacinação contra Covid-19. A partir do dia 29 de abril, pessoas com 63 e 64 anos de idade poderão ser vacinadas. No dia 6 de maio, uma semana depois, a vacinação será liberada para quem tiver entre 60 e 62 anos.

A vacinação para idosos com 65 e 66 anos de idade segue marcada para o dia 21 de abril. A data abre a imunização para mais de 760 mil pessoas. Espera-se que 3 milhões de pessoas possam ser contempladas juntando esse número com os das duas novas fases. Serão mais 840 mil pessoas no dia 29 de abril, e outro 1,4 milhão em 6 de maio.

Por conta da atual falta de insumos para produção da CoronaVac, o governo estadual espera vacinar essa população com a vacina da AstraZeneca/Oxford, produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Segundo Dimas Covas, novos insumos para produção da CoronaVac deverão chegar ao Instituto Butantan no dia 19 de abril.

Internações seguem em queda, mas óbitos aumentam

Mais uma vez, a taxa de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTIs) caiu em São Paulo. No estado, caiu para 86,4% (ante 88,3% na quarta-feira, 7 de abril). Na Grande São Paulo, caiu para 84,9% (ante 87,2% na quarta-feira).

No entanto, a média diária de óbitos segue subindo: houve um aumento de 13% em relação à semana epidemiológica anterior, com média de 808 mortes por dia em todo o estado.

Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde, afirmou que, apesar dos números ruins, os óbitos ainda não refletem os avanços do estado na contenção da pandemia. “Esses óbitos não configuram o momento atual da pandemia em nosso estado,” disse. Segundo ele, os dados refletem o estado da pandemia de três até quatro semanas atrás.

Fiscalizações continuam

O governo também aproveitou para anunciar mais dados da fiscalização do Plano São Paulo contra aglomerações e festas clandestinas na pandemia. Segundo Doria, foram mais de 69 mil operações em todo o estado, e mais de 5 mil festas fechadas e autuadas.

“Essas autuações são importantes porque as festas clandestinas têm como público-alvo o jovem. E o jovem, no início da pandemia, não morria. Hoje, ele está morrendo contaminado pela Covid-19”, disse Fernando José da Costa, secretário de Justiça e Cidadania de São Paulo. Segundo o secretário, 106 jovens entre 20 e 29 anos morreram no estado em março de 2021, comparado a apenas 3 em março de 2020.

As fiscalizações são feitas por uma força-tarefa que inclui Guarda Civil Metropolitana, Polícia Militar, Procon-SP e órgãos de Vigilância Sanitária.

PUBLICIDADE

Quer entender o que é o mercado financeiro e como ele funciona? Assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.