G7 intensifica sanções à Rússia e busca reduzir dependência comercial da China

Os líderes do Grupo dos Sete (G7) se juntarão neste fim de semana ao presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy

Reuters

Publicidade

HIROSHIMA, Japão (Reuters) – Líderes das democracias mais ricas do mundo concordaram nesta sexta-feira em endurecer as sanções contra a Rússia, enquanto um rascunho de comunicado a ser divulgado após suas conversas na cidade japonesa de Hiroshima enfatizou a necessidade de reduzir a dependência do comércio com a China.

Os líderes do Grupo dos Sete (G7), que se juntarão neste fim de semana ao presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, prometeram restringir quaisquer exportações para a Rússia que possam ajudá-la em sua guerra de 15 meses contra a Ucrânia.

“Isso inclui exportações de maquinário industrial, ferramentas e outras tecnologias que a Rússia usa para reconstruir sua máquina de guerra”, disseram eles em um comunicado conjunto, acrescentando que os esforços continuarão a restringir as receitas russas de seu comércio de metais e diamantes.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Sobre a China, que as potências do G7 veem cada vez mais como uma ameaça à segurança econômica, eles devem concordar que seu status de segunda maior economia do mundo significa que não há alternativa a não ser buscar cooperação, disse um rascunho inicial do comunicado final visto pela Reuters.

“Nossas abordagens políticas não são projetadas para prejudicar a China, não procuramos impedir o progresso e o desenvolvimento econômico da China”, disse o documento, que ainda está sujeito a mudanças.

O esboço, no entanto, pediu medidas para “reduzir dependências excessivas” em cadeias de suprimentos críticas e combater “práticas malignas” na transferência de tecnologia e divulgação de dados.

Continua depois da publicidade

O documento também reafirmou a necessidade de paz e estabilidade no Estreito de Taiwan e também pediu a China que pressione a Rússia a interromper sua agressão militar à Ucrânia.

Os membros do G7 — Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Canadá e Itália — também devem debater estratégias sobre o conflito na Ucrânia, que não dá sinais de abrandamento.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, que representa Hiroshima na câmara baixa do Parlamento do Japão, disse que escolheu a cidade para a cúpula para concentrar a atenção no controle de armas.

Hiroshima e outra cidade japonesa, Nagasaki, foram destruídas por ataques nucleares dos EUA há 78 anos que encerraram a Segunda Guerra Mundial.

Tendo emergido como os países mais ricos do mundo após a Segunda Guerra Mundial, as democracias do G7 tornaram-se cada vez mais desafiadas por uma China ascendente e uma Rússia imprevisível.

Em meio a evidências de que as sanções existentes estavam sendo enfraquecidas pela evasão, eles disseram que o grupo estava “se envolvendo” com países através dos quais qualquer produto, serviço ou tecnologia restrito do G7 poderia transitar para a Rússia.

“Notamos e encorajamos os compromissos assumidos por esses países para garantir que nossas medidas não sejam contornadas e tenham o efeito pretendido”, disseram, sem citar nenhum território.

Análise dos dados do comércio alemão mostra que suas exportações para países que fazem fronteira com a Rússia aumentaram acentuadamente, alimentando preocupações sobre a reexportação de mercadorias a partir desses países vizinhos.

O G7 reafirmou sua condenação ao que chamou de agressão da Rússia e prometeu mais apoio à Ucrânia, em termos militares e ajuda financeira para sua economia abalada pela guerra.

Zelenskiy comparecerá à cúpula no domingo, disseram duas autoridades envolvidas no evento, recusando-se a ser identificadas devido à sensibilidade do assunto.