FMI vê o Brasil ‘resiliente’ e eleva projeção de alta do PIB em 2024, de 1,5% para 1,7%

Fundo comenta que país segue tendência de outras economias, que continuam a demonstrar grande resiliência, com o crescimento acelerando no ano

Estadão Conteúdo

(Getty Images)

Publicidade

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está mais otimista com o Brasil e vê o País crescendo 1,7% neste ano, contra projeção anterior de 1,5%, conforme a atualização do seu relatório Perspectiva Econômica Mundial (WEO, na sigla em inglês), publicada nesta terça-feira (30). Ainda assim, a economia brasileira deve desacelerar frente a 2023, quando deve ter avançado 3,1%, prevê o organismo com sede em Washington, nos Estados Unidos.

À frente, o FMI espera que o Brasil volte a acelerar o passo. O Fundo estima que o Produto Interno Bruto (PIB) do País cresça 1,9% em 2025, projeção inalterada frente às estimativas divulgadas pelo organismo em outubro do ano passado.

“Muitas economias continuam a demonstrar grande resiliência, com o crescimento acelerando no Brasil, na Índia e nas principais economias do Sudeste Asiático”, diz o economista chefe do FMI, Pierre-Olivier Gourinchas, em comentário sobre as novas projeções econômicas do Fundo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Apesar disso, o Brasil deve crescer em ritmo aquém ao estimado para a América Latina em 2024, a despeito do corte na projeção do organismo para a região. O Fundo vê a economia latina crescendo 1,9% neste ano, 0,4 ponto porcentual abaixo da sua estimativa anterior. Para 2025, o FMI espera que a América Latina retome o fôlego e cresça 2,5%, mesmo avanço projetado para o PIB do ano passado.

Segundo o Fundo, a revisão regional é justificada pela expectativa de mais um ano de recessão na Argentina, devido ao “ajuste político significativo para restaurar a estabilidade macroeconômica” do país. Sob o governo de Javier Milei, o país deve amargar uma queda de 2,8% neste ano, projeção piorada em 5,6 pontos porcentuais. No ano passado, a Argentina já havia encolhido 1,1%, conforme as projeções do organismo. Para 2025, porém, o Fundo vê recuperação, com crescimento de 5,0%, uma melhora de 1,7 p.p. frente às projeções de outubro.

Por outro lado, o FMI destaca a melhora das projeções para grandes economias como a do Brasil e do México em 2024. No caso da economia mexicana, o Fundo melhorou a sua projeção em 0,6 p.p., para uma alta de 2,7% neste ano. O país tem se beneficiado de maiores volumes de negócios com países vizinhos, o chamado ‘nearshoring’, na esteira da pandemia e das tensões geopolíticas agravadas pela guerra na Ucrânia e, mais recentemente, no Oriente Médio.

Continua depois da publicidade

“A melhoria nas projeções para o Brasil e O México reflete, em grande parte, os efeitos de transferência de uma demanda interna mais forte do que o esperado e de um crescimento superior ao previsto nas grandes economias parceiras comerciais em 2023”, diz o FMI, no relatório.

Fiscal e monetária

O FMI afirma ainda que sua visão para o quadro fiscal das economias emergentes e em desenvolvimento é “neutra”. A exceção, diz o Fundo, é o Brasil e a Rússia, que tiveram sua política fiscal flexibilizada no ano passado.

Nesse sentido, o organismo vê os países emergentes e em desenvolvimento com maior restrição de gastos em 2024, diante da necessidade de recompor as contas e conter a trajetória ascendente da dívida. “Espera-se que esta mudança abrande o crescimento no curto prazo”, alerta o Fundo.

Já a política monetária tem sido “assíncrona” entre os países ricos e os emergentes, define o FMI. Isso porque enquanto economias como as da Europa e dos EUA avaliam o momento certo de começar a cortar os juros neste ano, na América Latina, a flexibilização já começou.

“Alguns países com inflação em queda – incluindo o Brasil e o Chile, onde os bancos centrais apertaram a política mais cedo do que noutros países – as taxas de juro têm diminuído desde o segundo semestre de 2023”, reconhece o FMI.