FMI projeta que PIB da China cresça 4,6% em 2024 e perca força nos anos seguintes

No médio prazo, o crescimento chinês deve ter declínio gradual, com ventos contrários da fraca produtividade e do envelhecimento populacional; inflação deve seguir controlada, segundo projeções do Fundo

Estadão Conteúdo

Publicidade

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que o produto interno bruto (PIB) desacelere nos próximos anos. Depois de crescer cerca de 5% no ano passado, a segunda economia global deve perder um pouco de força em 2024, com avanço projetado de 4,6%, em 2024, e de 4,0%, em 2025. Os dados estão em relatório publicado pelo Fundo nesta sexta-feira (2), com a conclusão de uma missão de consultas ao país, no âmbito do Artigo IV dos regimentos da instituição.

Segundo o relatório, o desaquecimento continuará nos anos seguintes, com previsões de crescimento de 3,8%, em 2026, de 3,6%, em 2027, e de 3,4%, em 2028.

Segundo o FMI, no entanto, o crescimento do país está “em geral em linha” com a meta das autoridades de cerca de 5%. A atividade será puxada pela demanda doméstica, em particular pelo consumo privado, e auxiliado por políticas macroeconômicas, entre elas um relaxamento maior da política monetária, aponta.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O FMI menciona também isenção fiscal para consumidores, gastos fiscais e auxílio para vítimas de desastres naturais como estímulos. Mas é feito um alerta de que, ainda em 2024, a fraqueza do setor imobiliário deve pesar, com a demanda externa “contida”.

No médio prazo, o crescimento chinês deve ter declínio gradual, com ventos contrários da fraca produtividade e do envelhecimento populacional.

No caso da inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), o Fundo espera que um avanço gradual, para 1,3% em 2024. Em 2025, 2026, 2027 e 2028, a projeção é a mesma para o índice de preços ao consumidor chinês, de 2,0% ao ano.

Continua depois da publicidade

Incerteza elevada

O FMI adverte, porém, que a incerteza para a perspectiva do país é “elevada”, em particular diante de desequilíbrios existentes e vulnerabilidades associadas. “Uma contração mais profunda que a esperada no setor imobiliário poderia pesar mais sobre a demanda privada e piorar a confiança, amplificar problemas fiscais em governos locais e resultar em pressões de desinflação e reflexos negativos macrofinanceiros”, afirma.

Também representam “riscos consideráveis de baixa” um enfraquecimento acima do esperado da demanda, aperto nas condições globais e maiores tensões geopolíticas, diz o FMI. Do lado positivo, ação política decidida e uma reestruturação mais rápida no setor imobiliário poderiam impulsionar a confiança e levar a uma retomada melhor que a prevista do investimento privado.