FMI: dinheiro digital pode impulsionar inclusão financeira em países insulares

O FMI, porém, destaca que a implementação do dinheiro digital precisa ser "bem concebida e governada",

Estadão Conteúdo

(Shutterstock)

Publicidade

Dinheiro digital pode trazer muitos avanços a países insulares, como inclusão financeira, acesso a sistemas de pagamento desenvolvidos e mitigação de perda de relações bancárias correspondentes, afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI), em texto publicado nesta semana.

O FMI, porém, destaca que a implementação do dinheiro digital precisa ser “bem concebida e governada”, adequada ao país e sua complexidade econômica. A maturidade dos setores bancário e de prestação de serviços de pagamento deve indicar que tipo de dinheiro digital funciona melhor para os países insulares do Pacífico, diz o FMI em relatório, embora destaque que a fórmula permanece para países insulares do mundo todo.

Por exemplo, uma moeda digital de banco central (CBDC) de dois níveis – em que o banco central emite mas delega a operação a intermediários privados – pode ser melhor para países com moeda nacional e bancos e prestadores de pagamentos maduros. Em economias mais incipientes, as stablecoins lastreadas em moeda estrangeira poderiam ser uma alternativa realista para países sem moedas próprias, embora apenas com regulamentação e supervisão robustas.

Continua depois da publicidade

A instituição conclui que o dinheiro digital pode impulsionar a conectividade transfronteiriça e fornecer apoio governamental a populações direcionadas. Caso a adoção do dinheiro digital aconteça sem as salvaguardas adequadas, o mercado financeiro e a economia do país podem ser perturbadas.

Aula Gratuita

Os Princípios da Riqueza

Thiago Godoy, o Papai Financeiro, desvenda os segredos dos maiores investidores do mundo nesta aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.