FMI apoia reformas de Milei, mas vê riscos para o programa de U$ 44 bi da Argentina

O FMI classificou o plano de estabilização de Milei para a combalida economia argentina como "ousado" e "muito mais ambicioso" do que os propostos por seus antecessores no país

Reuters

O presidente da Argentina, Javier Milei (Tomas Cuesta/Getty Images)

Publicidade

NOVA YORK (Reuters) – O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse que a Argentina está comprometida com a acumulação de reservas internacionais e com a contenção do financiamento da dívida do governo pelo banco central do país na mais recente revisão de seu programa de empréstimo de 44 bilhões de dólares, quando o credor global apoiou um conjunto de reformas propostas pela nova administração do presidente Javier Milei.

O FMI classificou o plano de estabilização de Milei para a combalida economia argentina como “ousado” e “muito mais ambicioso” do que os propostos por seus antecessores no país, citando o compromisso com reformas como um ponto positivo de sua vitória eleitoral esmagadora no final do ano passado, considerando os desafios de sua implementação.

“A forte apropriação por parte das autoridades e o compromisso eleitoral para eliminar os déficits fiscais e os impedimentos de longa data ao crescimento (muitos deles beneficiando interesses particulares) atenuam os riscos de implementação”, disse o Fundo em um relatório técnico sobre a Argentina publicado nesta quinta-feira.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No entanto, o FMI reconheceu que os riscos para o sucesso do programa são altos, dada a “herança muito difícil” de políticas fracassadas e um “cenário político e social complexo, com um Congresso fragmentado, salários reais em queda e pobreza elevada”.

A revisão do FMI estabeleceu novas metas de acumulação de reservas dos bancos centrais, passando de uma meta anterior de 4,3 bilhões de dólares para uma meta de 6,0 bilhões de dólares até o final de março. A meta para o final de junho subiu de 7,3 bilhões de dólares para 9,2 bilhões de dólares e a meta para o final de setembro foi estabelecida em 7,6 bilhões de dólares.

O credor global estendeu a duração de seu programa de 44 bilhões de dólares em três meses para dar tempo de implementar o atual plano de estabilização do governo e formar reservas, com o programa agora em vigor até 31 de dezembro, em comparação com o corte anterior de 24 de setembro.

Continua depois da publicidade

As demais revisões do programa, conforme relatado anteriormente pela Reuters, foram marcadas para maio, agosto e novembro deste ano.