Fitch prevê 2024 misto para a América Latina e descarta grau de investimento para o Brasil no curto prazo

"Qualquer elevação do (rating) do Brasil será mais difícil do que a última", disse Todd Martinez, diretor sênior de títulos soberanos da Fitch

Reuters

(Shutterstock)

Publicidade

SANTIAGO (Reuters) – A agência de classificação de risco Fitch Ratings prevê um 2024 marcado por uma desaceleração do crescimento das economias latino-americanas, uma região ainda afetada por uma demanda menor e altas taxas de juros, mas com vantagens comparativas em um cenário geopolítico complexo, e descarta elevar o Brasil para um grau de investimento no curto prazo.

A agência estima uma desaceleração do crescimento econômico da América Latina neste ano, para 1,5%, em comparação com a expansão de 2,3% em 2023.

“Quando pensamos no desempenho do crescimento da região, ele tem sido claramente afetado pela desaceleração esperada em algumas das maiores economias. Estou falando do México e do Brasil”, disse Shelly Shetty, diretora-gerente de títulos soberanos da Fitch Ratings.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Entre os desafios externos enfrentados pela América Latina, a Fitch considera a desaceleração do crescimento na China e nos Estados Unidos, um cenário financeiro global apertado e o impacto climático do fenômeno El Niño.

Entretanto, há fatores que podem beneficiar a região em uma perspectiva de médio prazo.

“Eu diria que há alguns elementos positivos para a região: ela claramente não estava no epicentro de nenhum ponto crítico geopolítico global durante 2022 a 2023, tem matérias-primas que são muito úteis em uma transição verde… e, finalmente, ‘nearshoring'”, disse Shetty.

Continua depois da publicidade

A executiva ressaltou que o “nearshoring”, uma estratégia de externalização para terceiros e fomento ao comércio com países próximos e com fusos-horários semelhantes, é benéfica para a região, especialmente para o México.

No entanto, nem o “nearshoring”, nem as vantagens em termos de risco energético ou geopolítico teriam um impacto imediato no crescimento latino-americano, segundo a agência.

“Continuamos a acreditar que a estagnação política na região, o aumento do intervencionismo estatal e a falta de reformas estão impedindo o crescimento em vários países da região”, disse Shetty.

Como exceção, ela mencionou o Brasil, que passou por uma série de reformas nos últimos anos, além da aprovação da reforma tributária pelo Congresso Nacional em dezembro de 2023.

A agência de recomendação de risco elevou a recomendação da dívida do Brasil em julho de 2023, quando a elevou de “BB-” para “BB”, e depois a manteve após a aprovação da reforma tributária no final do ano passado.

O país perdeu todos os seus graus de investimento no início de 2016, após uma série de crises internacionais e domésticas, e com o fim do boom das commodities.

E, embora a Fitch tenha elogiado seu desempenho recente, ela descarta um retorno ao grau de investimento no curto prazo.

“Qualquer elevação do (rating) do Brasil será mais difícil do que a última… Uma elevação de um nível para BB+ poderia ser alcançada se o governo cumprir suas próprias projeções, suas próprias metas e também conseguir um crescimento real do Produto Interno Bruto do atual ritmo de 2,0% para algo próximo a 2,5%”, disse Todd Martinez, diretor sênior de títulos soberanos da Fitch.