Pandemia

Fiocruz deve começar a produção em larga escala da vacina de Oxford/AstraZeneca, diz jornal

A vacina passou nos testes de estabilidade e consistência; agora, a Fiocruz deve acelerar o processo de produção

Frasco da vacina Oxford/AstraZeneca contra Covid-19 em hospital do Rio de Janeiro 27/01/2021 REUTERS/Pilar Olivares
Frasco da vacina Oxford/AstraZeneca contra Covid-19 (REUTERS/Pilar Olivares)

SÃO PAULO – A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deve começar nesta segunda-feira (8) a produção em larga escala da vacina Oxford/AstraZeneca, que produz em parceria com a universidade britânica e com a farmacêutica. As informações são da coluna de Monica Bergamo, na Folha de S. Paulo.

A previsão é que sejam entregues 3,8 milhões de doses ao Ministério da Saúde até o fim de março, conforme uma nota da Fiocruz divulgada na última sexta (5).

A vacina passou nos testes de estabilidade e consistência e, agora, a Fiocruz deve acelerar o processo de produção, segundo informações da coluna.

Esses testes são feitos para verificar se há contaminação em algum frasco, se a máquina está colocando o volume certo de imunizante em cada frasco e se o ambiente da  fabricação está nas condições ideais e recomendadas de temperatura e umidade, entre outros fatores.

Segundo a coluna, para a vacina ser aprovada nesses testes é preciso que três produções seguidas e independentes sejam finalizadas. Se em alguma delas algo der errado, é necessário começar tudo do zero.

“Vários parâmetros têm que ser minuciosamente observados. Mas deu tudo certo. Normalmente é necessário perder mesmo muito tempo com tudo isso. É uma guerra. Mas que foi finalizada”, afirmou Marco Krieger, vice-presidente de produção e inovação em saúde da Fiocruz, à coluna.

O InfoMoney entrou em contato com a Fiocruz, que não confirmou a informação, mas que receberá a visita do ministro da Saúde Eduardo Pazuello, do governador do Piauí e representante do Fórum Nacional de Governadores, Wellington Dias, e do secretário de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, Carlos Alberto Chaves, nesta segunda para discutir os próximos passos da fabricação do imunizante.

Prazo de entrega

A expectativa é de que sejam entregues 3,8 milhões de doses do imunizante ao Ministério da Saúde até o fim de março.

Porém, a previsão inicial era de 15 milhões. Houve um problema no equipamento que fecha os frascos, o que reduziu o volume de entrega.

PUBLICIDADE

Agora, com o equipamento consertado e com os testes de estabilidade e consistência aprovados, pode ser iniciada a fabricação em larga escala.

“Os gargalos estão sendo superados. E poderemos começar a entregar vacinas em um fluxo contínuo a partir do fim do mês”, disse Krieger à coluna.

A Fiocruz divulgou nesta segunda uma nota explicando sua capacidade de produção. Em janeiro, chegaram dois lotes de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), que representa a quantidade suficiente de matéria-prima para formular as 15 milhões de doses de vacinas iniciais – mas a entrega desse total ainda não tem data definida.

Ainda em março, mais três remessas de IFA estão previstas para sair da China com destino à fundação. Outros três lotes têm previsão para embarcar em abril. Em maio, serão mais quatro remessas e, em junho, será enviado o último lote, de acordo com a Fiocruz.

“Ao todo, a produção da Fiocruz alcançará, em julho, a marca de 100,4 milhões de doses. Já no segundo semestre, com a transferência de tecnologia concluída, a Fundação poderá produzir as vacinas de forma independente, a partir da produção nacional do IFA, com expectativa de entregar mais 110 milhões no período”, diz a nota.

A Fiocruz ressaltou que, somente após os resultados dos lotes de validação e liberação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é que será possível definir as datas e quantitativos a serem disponibilizados para o PNI (Programa Nacional de Imunização), coordenado pelo governo federal.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.