Exxon desiste de projeto no Brasil, diz WSJ; empresa afirma que seguirá no país

No entanto, a empresa não descarta projetos futuros no país, acrescentou a reportagem, citando fontes.

Reuters

Publicidade

Matéria atualizada às 13h45 com posicionamento da Exxon Mobil

– A Exxon Mobil encerrou um grande projeto exploratório para encontrar petróleo no Brasil, informou o Wall Street Journal nesta quarta-feira, citando pessoas familiarizadas com o assunto.

Após a publicação da reportagem, a Exxon disse que está engajada em atividades no Brasil e vai continuar explorando oportunidades no país, visto como “uma região importante no futuro da empresa”.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Os projetos brasileiros permanecem no caminho da companhia e fazem parte da estratégia global e dos planos de negócios”, afirmou a Exxon, em nota, que não fez referência à reportagem do jornal norte-americano.

Segundo o Wall Street Journal, a gigante de petróleo e gás interrompeu a atual perfuração na área offshore que adquiriu com parceiros por 4 bilhões de dólares em 2017, depois de falhar pela terceira vez em encontrar quantidades comercialmente viáveis de petróleo.

A empresa transferiu geólogos e engenheiros que trabalharam na campanha de perfuração de seus escritórios no Rio de Janeiro para outros países, incluindo Guiana, Angola e Canadá, segundo o Wall Street Journal.

Continua depois da publicidade

A Reuters mostrou no ano passado que a companhia estava com dificuldades para encontrar petróleo na costa brasileira, com poços perfurados em dois blocos –apelidados de Opal e Titã– não mostrando potencial suficiente para justificar a instalação de uma plataforma.

A companhia havia apostado bilhões de dólares em perfuração offshore no Brasil, e o país era uma das três áreas geográficas com as quais a empresa contava para a maior parte de sua produção futura.

Os outros dois –a Guiana e os EUA– estão tendo bom desempenho, mas a Exxon ainda não fez uma grande descoberta de petróleo como operadora nas águas do Brasil.

A petroleira norte-americana, que está há mais de 100 anos no Brasil, possui participação em 26 blocos nas bacias de Campos, Santos e Sergipe-Alagoas, sendo operadora de 17 deles.

Boa parte dos ativos exploratórios atuais da Exxon foram arrematados em leilão em 2017, quando a companhia retomou uma atuação mais forte na área depois de duas tentativas fracassadas de encontrar petróleo no país.

Em alguns blocos em que é operadora, a Exxon tem como parceiros a Qatar Petroleum na Bacia de Santos; a Petrobras e a Qatar na Bacia de Campos; e Enauta e Murphy na Bacia Sergipe-Alagoas.

“O nosso programa inicial de perfuração de exploração está agora completo. Continuamos a trabalhar com nossos parceiros, analisando os dados adquiridos do extenso programa de perfuração e avaliando o potencial para futuras atividades de exploração nesses blocos”, disse a Exxon nesta quarta-feira.

Procurada, a Enauta disse que não comentaria. A Petrobras não respondeu imediatamente.

A companhia ressaltou ainda que compõe o consórcio que explora o campo de Bacalhau, com previsão de produção do primeiro petróleo em 2025.

Em Bacalhau, operado pela Equinor, a norueguesa tem 40%, a Exxon tem fatia de 40% e a Petrogal Brasil os outros 20%.