Exportações do Brasil para a UE sobem 46,2% e se destacam em abril, diz Icomex/FGV

Remessas de petróleo, café não torrado e farelo de soja brasileiros lideraram embarques para a União Europeia no mês; vendas para os EUA subiram 22% e para a China avançaram 14,1%

Estadão Conteúdo

Imagem aérea do porto de Santos

Publicidade

Impulsionado pelas remessas de petróleo, café não torrado e farelo de soja brasileiros, o volume exportado pelo Brasil para a União Europeia saltou 46,2% no mês de abril de 2024 ante o mesmo período de 2023, apontou o Indicador de Comércio Exterior (Icomex) divulgado nesta quinta-feira (16) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

Quanto aos demais principais parceiros comerciais do Brasil, as exportações para os Estados Unidos cresceram 22,0% em abril, em volume, e avançaram 14,1% para a China. Para a Ásia (excluídos China e Oriente Médio), o volume exportado cresceu 38,7% no mês. Para a Argentina, houve queda de 34,2%, e para os demais países da América do Sul, foi registrada alta de 12,6%.

Continua depois da publicidade

 

Já no acumulado de janeiro a abril, em relação ao mesmo período do ano passado, houve alta no volume exportado pelo Brasil para a China (16,1%), Estados Unidos (20,4%) e Ásia (17,9%). As exportações recuaram para a União Europeia (-0,6%), Argentina (-29,8%) e Demais países da América do Sul (-9,6%).

 

Continua depois da publicidade

O saldo da balança comercial brasileira em abril foi de US$ 9,0 bilhões, levando a um superávit de US$ 27,7 bilhões no acumulado de janeiro a abril, US$ 4,1 bilhões superior ao volume do primeiro quadrimestre de 2023.

 

A China manteve a liderança no ranking de contribuições para o superávit da balança comercial brasileira, com saldo de US$ 13,9 bilhões, seguida pelos demais países da Ásia, com US$ 3,4 bilhões, demais países da América do Sul, com US$ 2,0 bilhões, e Estados Unidos, com US$ 412 milhões. Já o saldo das trocas comerciais com a União Europeia é deficitário para o Brasil em US$ 817 milhões.