Em vídeo, Pazuello negociou vacina CoronaVac pelo triplo do preço

A gravação, divulgada pela "Folha de S.Paulo", já está de posse da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado

ANSA Brasil

O ex-ministro Eduardo Pazuello em oitiva na CPI da Pandemia (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Publicidade

(ANSA) – O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello teria prometido a um grupo de intermediadores adquirir 30 milhões de doses da vacina chinesa CoronaVac, ofertadas ao governo brasileiro, por quase o triplo do valor negociado com o Instituto Butantan.

A informação foi publicada nesta sexta-feira (16) pelo jornal “Folha de S.Paulo“, que obteve um vídeo no qual Pazuello relata o que seria o resumo de uma negociação. A gravação já está de posse da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado.

O encontro foi realizado no gabinete do então secretário-executivo da pasta, o coronel da reserva Elcio Franco, no dia 11 de março, em uma reunião fora da agenda oficial. Aparecem no vídeo o general do Exército e quatro pessoas que representariam a World Brands, uma empresa de Santa Catarina que lida com comércio exterior.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Já saímos daqui hoje com o memorando de entendimento já assinado e com o compromisso do ministério de celebrar, no mais curto prazo, o contrato para podermos receber essas 30 milhões de doses no mais curto prazo possível para atender a nossa população”, diz o então ministro, segundo quem a compra seria feita diretamente com o governo chinês.

A proposta da World Brands — também obtida pelo jornal — oferecia as 30 milhões de doses da vacina do laboratório chinês Sinovac pelo preço de US$ 28 cada dose, e com depósito de metade do valor total da compra — R$ 4,65 bilhões, considerando a cotação do dólar à época — até dois dias após a assinatura do contrato.

Na ocasião, o governo brasileiro já havia anunciado, dois meses antes, a aquisição de 100 milhões de doses da CoronaVac junto ao Butantan, pelo preço de US$10 a dose. Pazuello foi exonerado do cargo quatro dias depois do encontro em questão, no dia 15 de março.

Continua depois da publicidade

Além do preço ser quase o triplo do valor, a reunião contradiz a declaração do próprio Pazuello à CPI da Covid, em 19 de maio.

Durante seu depoimento, o general afirmou aos senadores que não comandou negociações com a Pfizer, argumentando que um ministro não deve receber ou negociar com uma empresa.

“Pela simples razão de que eu sou o dirigente máximo, eu sou o ‘decisor’, eu não posso negociar com a empresa. Quem negocia com a empresa é o nível administrativo, não o ministro. Se o ministro… Jamais deve receber uma empresa, o senhor deveria saber disso”, disse Pazuello à CPI.

De acordo com um ex-auxiliar do então ministro, ouvido pela Folha, a ideia era divulgar o vídeo na forma de propaganda nas redes sociais oficiais do governo, mostrando o avanço de uma negociação, no momento em que a administração de Jair Bolsonaro era pressionada para comprar mais vacinas anti-Covid.

Conforme apurações da CPI, no entanto, a carta de intenção de compra estava prestes a ser assinada, mas ficou pendente com a troca de Pazuello pelo ministro Marcelo Queiroga.

Procurados pelo jornal, Pazuello, Elcio e a Casa Civil — onde os militares hoje despacham como assessores de Bolsonaro — não se manifestaram sobre a reunião.

Por sua vez, a Sinovac disse em nota que APENAS (em letras garrafais, na resposta em inglês) o Instituto Butantan pode oferecer a CoronaVac no Brasil.

Quer entender o que é o mercado financeiro? Assista à série gratuita “Carreira no Mercado Financeiro” e conheça o setor da economia que paga os melhores salários de 2021.