Economia da Venezuela cresceu 5% em 2023 e chegará a 8% neste ano, diz Maduro

A economia da Venezuela passou por um prolongado derretimento marcado por inflação de três dígitos e um êxodo em massa de milhões de imigrantes

Reuters

Publicidade

CARACAS (Reuters) – A economia da Venezuela cresceu mais de 5% em 2023 e o crescimento chegará a 8% neste ano, afirmou o presidente Nicolás Maduro nesta segunda-feira durante seu discurso anual ao Legislativo aliado ao governo.

A economia da Venezuela passou por um prolongado derretimento marcado por inflação de três dígitos e um êxodo em massa de milhões de imigrantes buscando melhores perspectivas em outros lugares, embora sua inflação não seja mais a maior da América Latina desde que a Argentina passou da casa dos 200%.

A inflação chegou a pouco menos que 190% ano passado, segundo o Banco Central, uma queda em relação à taxa de 234% no ano anterior.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Em 2024, continuaremos com a política de alimentar a produção nacional, de recuperar a renda nacional, de recuperar a renda dos trabalhadores”, disse Maduro a parlamentares. “Para este ano, projetamos um crescimento do Produto Interno Bruto de cerca de 8%”.

O crescimento foi de 15% em 2022, disse Maduro. A inflação ficará em dois dígitos este ano, afirmou ainda.


A empresa estatal de petróleo PDVSA contribuiu com 6,24 bilhões de dólares aos cofres do país ano passado, acrescentou Maduro.

Continua depois da publicidade

Esse montante, que segundo Maduro financiou salários, tratamento de saúde, educação e habitação, corresponde ao que a empresa repassou ao governo, não seu faturamento total.

Segundo um documento visto pela Reuters no fim do ano passado, o governo prevê um aumento de 27% em suas receitas da PDVSA este ano, após um relaxamento das sanções dos EUA, e apesar da produção estagnada.

O alívio das sanções, que deverá durar até abril, fez aumentar os preços do petróleo venezuelano e os analistas esperam que as receitas conduzam a mais despesas sociais, uma vez que o governo tenta assegurar apoio para as próximas eleições presidenciais.
As receitas do petróleo foram anteriormente afetadas pela baixa produção devido à deterioração da infra-estrutura e à falta de investimento.

O governo de Maduro estima que as despesas totais em 2024 serão equivalentes a 20,5 bilhões de dólares e que as receitas provenientes das exportações de petróleo e dos impostos pagos pela PDVSA cobrirão 58%, segundo documento visto em dezembro.
Os EUA aliviaram as sanções em outubro após o governo assinar um acordo eleitoral com a oposição.

Em dezembro, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, concedeu clemência a um aliado de Maduro em troca da libertação de 10 norte-americanos e pelo menos 24 venezuelanos ligados à oposição.

Uma data para a eleição ainda não foi marcada, mas ela deve ser realizada no segundo semestre.