Desaceleração da inflação alivia mais para alta renda, que vê deflação de 0,08%, diz Ipea

Apesar da trégua generalizada, as famílias no extrato mais pobre ainda sentiram uma alta de preços maior que a dos demais grupos

Estadão Conteúdo

(AndreyPopov/Getty Images)

Publicidade

A inflação desacelerou na passagem de abril para maio em todas as faixas de renda familiar, mas aliviou mais a alta renda. Apesar da trégua generalizada, as famílias no extrato mais pobre ainda sentiram uma alta de preços maior que a dos demais grupos, enquanto que os mais ricos perceberam uma deflação em maio, informou nesta terça-feira, 13, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que a inflação desacelerou de 0,60% em abril para 0,33% em maio para o segmento familiar de renda muito baixa. Para o grupo de renda alta, a inflação passou de 0,68% em abril para um recuo de preços de 0,08% em maio.

O aumento de 1,1% dos produtos farmacêuticos no mês impactou especialmente as classes com rendas mais baixas, enquanto o reajuste de 1,2% dos planos de saúde pressionou as faixas de renda mais alta, apontou o Ipea. As famílias de menor poder aquisitivo tiveram como principal pressão inflacionária a alta no custo da habitação, devido aos aumentos na taxa de água e esgoto (2,7%) e na tarifa de energia elétrica (0,91%).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Deve-se registrar, também, que, embora grande parte da desaceleração inflacionária observada em maio tenha vindo da deflação do grupo transportes, beneficiada pelas quedas de preços dos combustíveis (-1,8%) e das passagens aéreas (-17,7%), esse alívio se concentrou, sobretudo, nas faixas de rendas mais altas, tendo em vista o peso desses itens na cesta de consumo dessas famílias. No caso das classes com rendas mais baixas, além do menor benefício vindo da deflação desses dois itens, o reajuste de 2,8% das tarifas de ônibus urbano acabou impedindo uma contribuição mais favorável do grupo transportes à inflação dessas famílias em maio”, apontou a técnica Maria Andreia Parente Lameiras na Carta de Conjuntura do Ipea.

Com o resultado, a inflação acumulada nos 12 meses encerrados em maio foi de 5,05% na faixa de renda alta e de 4,17% na faixa de renda muito baixa.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e usado pelo Ipea para fazer o cálculo da inflação por faixa de renda, desacelerou de 0,61% em abril para 0,23% em maio. A taxa acumulada em 12 meses ficou em 3,94% em maio.

Continua depois da publicidade

O indicador do Ipea separa por seis faixas de renda familiar as variações de preços medidas pelo IPCA. Os grupos vão desde uma renda familiar menor que R$ 2.015,18 por mês, no caso da faixa com renda muito baixa, até uma renda mensal familiar acima de R$ 20.151,76, no caso da renda mais alta.

Tópicos relacionados