Departamento do Trabalho dos EUA semeia confusão com e-mails sobre a inflação do CPI

E-mail para um grupo restrito sugeriu que um aumento numa importante medida de inflação de aluguéis foi causado por ajuste na ponderação dos componentes; CPI acima das projeções teve forte peso da habitação

Bloomberg

(Shutterstock)

Publicidade

 (Bloomberg) — A agência de estatísticas do Departamento do Trabalho dos EUA semeou confusão em Wall Street nesta semana com um e-mail sobre um fator-chave por trás do salto no índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de janeiro.

Um e-mail na terça-feira (27) para um grupo de “superusuários” de dados, visto pela Bloomberg, sugeriu que um aumento em uma medida de inflação de aluguéis – o que deixou os analistas perplexos – foi causado por um ajuste na forma como os subcomponentes do índice são ponderados. Um destinatário disse que o Escritório de Estatísticas do Trabalho (BLS, na sigla em inglês) tentou retirá-lo e que foi instruído a desconsiderar seu conteúdo.

O aumento nos aluguéis equivalentes aos proprietários foi um fator importante por trás da força do valor geral do CPI de janeiro – que foi divulgado em 13 de fevereiro – dado o seu peso descomunal no índice.

Continua depois da publicidade

O índice de preços ao consumidor subiu 0,3% em janeiro ante dezembro e chegou a 3,1% no acumulado de 12 meses, acima das projeções de analistas de taxas de 0,2% na leitura mensal e de 2,9%  na base anual. E boa parte da frustração com o indicador  foi atribuída ao índice de habitação (“shelter”) que subiu 0,6% no mês.

Os números do CPI superiores aos esperados também foram citados pelos responsáveis do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) como uma razão para adiar os cortes das taxas de juro amplamente esperados.

No e-mail, o BLS reconheceu que os pesos para moradias unifamiliares tinham aumentado “materialmente” entre dezembro de 2023 a janeiro de 2024.

Em pauta, está o peso relativo das habitações unifamiliares versus as unidades multifamiliares nos chamados OER (aluguéis equivalentes das residências), o maior componente individual do CPI. Esse item aumentou em janeiro para o maior valor desde abril de 2023, marcando uma inversão acentuada de uma tendência de moderação nos últimos meses.

A aceleração dos OER intrigou os analistas porque a taxa de aumento num componente semelhante, embora menor, do CPI, conhecida como renda de residência principal, continuou a desacelerar em janeiro. Os dois normalmente sobem e descem juntos, e alguns sugeriram que o movimento maior de OER deveria ser visto como um acaso.

O BLS está “atualmente analisando esses dados e poderá ter comunicações adicionais sobre os dados de aluguel e OER em breve”, disse um economista da agência à Bloomberg em um comunicado enviado por e-mail. Um porta-voz do Departamento do Trabalho se recusou a comentar, encaminhando todas as dúvidas sobre o assunto ao BLS.

©2024 Bloomberg L.P

Aula Gratuita

Os Princípios da Riqueza

Thiago Godoy, o Papai Financeiro, desvenda os segredos dos maiores investidores do mundo nesta aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.