Davos: Diretor-geral da OMC diz que futuro do comércio é ‘digital, verde e inclusivo’

Okonjo-Iweala alertou para o risco de distribuição desigual dos ganhos do crescimento econômico com a estratégia "friend-shoring”

Roberto de Lira

(Divulgação)

Publicidade

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala, deu hoje sua receita sobre como os países precisam repensar sua abordagem comercial em meio a desafios de protecionismo e de fragilidades nas cadeias globais de suprimentos. “Dizemos que o futuro do comércio é serviços; é digital; é verde. E deve ser inclusivo”, afirmou durante o Fórum Econômico Mundial de 2023, que está sendo realizado em Davos, na Suíça.

Durante o painel “Relançando o Comércio, o Crescimento e o Investimento”, ele comentou que muitas nações têm feito um esforço para realocar a produção para mais perto da demanda dos consumidores, após choques de oferta associados a bloqueios de portos, a guerra na Ucrânia e a pandemia.

Além disso, as preocupações com a segurança nacional fizeram com que muitas nações questionassem sua dependência excessiva de certos países para bens e serviços críticos, como a dependência europeia da energia russa.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Para os Estados Unidos, o México provavelmente será um grande beneficiário da reconfiguração das cadeias de suprimentos dos EUA, dada a força de trabalho educada do México, baixos salários, transporte ferroviário e clima político pró-negócios, observou no debate Laurence D. Fink, presidente e CEO da BlackRock. “Mas o México não será o único beneficiário dessa mudança”, acrescentou, citando também o Leste Europeu, Turquia, Indonésia e outras partes do Sudeste Asiático.

Okonjo-Iweala repetiu que o futuro do comércio também deve priorizar a inclusão. Como muitos países priorizam a segurança nacional em sua política comercial, existe o risco de que o “friend-shoring” – como é chamada a priorização das redes de suprimentos a aliados e países amigos – distribua de forma desigual os ganhos do crescimento econômico. “Quando falamos de ‘compartilhar amigos’, não sei quem é um amigo”, disse. “Eu nunca ouvi países na África mencionados”, provocou.

Alexander De Croo, primeiro-ministro da Bélgica, afirmou que criar uma agenda comercial que priorize a inclusão e a descarbonização é uma grande prioridade e que muitos governos europeus receberam bem a recente adoção da sustentabilidade na política econômica dos Estados Unidos. “O mundo só pode estar feliz porque os Estados Unidos passaram para o lado certo do corredor” no clima, disse.

Continua depois da publicidade

Ele observou ainda que os líderes europeus estão preocupados com as especificidades da recente legislação dos EUA, mas, no geral, o passo positivo dá à Europa a oportunidade de se concentrar em suas vantagens específicas, como instalações de pesquisa e investimentos de longo prazo em energia eólica. Sem essa coordenação, existe o risco de a Europa e os EUA simplesmente competirem para fornecer mais subsídios e isenções fiscais para as empresas.

A política industrial tornou-se um foco importante para muitas nações repensando sua abordagem ao comércio. “Cinco anos atrás, [política industrial] não era um tema muito sexy. Hoje está no topo da agenda”, disse De Croo. Produtos médicos, painéis solares, chips e infraestrutura de digitalização estão entre os setores que estão sendo reformulados devido a novas pressões para aumentar a resiliência e a segurança nacional.

O vice-chanceler alemão, Robert Habeck, observou que a Alemanha está dizendo “sim” aos acordos comerciais bilaterais, mas, em última análise, “temos que nos ater à ideia de instituições multilaterais”.