Confiança empresarial em maio sobe apenas 0,2 ponto, diz FGV

Indústria e a Construção mostram resiliência, ao manterem índices de confiança próximos ao nível neutro de 100 pontos; em contraste, os setores de Serviços e Comércio indicam enfraquecimento da atividade econômica

Roberto de Lira

Edifícios em construção no Rio de Janeiro (Foto/Pilar Olivares/Reuters)
Edifícios em construção no Rio de Janeiro (Foto/Pilar Olivares/Reuters)

Publicidade

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 0,2 ponto em maio, para 95,8 pontos, o maior valor desde outubro de 2022, informou nesta segunda-feira (3) a Fundação Getúlio Vargas.. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 0,4 ponto.

Aloisio Campelo Jr., superintendente de estatísticas do FGV/Ibre, destacou em nota que a estabilidade da confiança industrial em maio mostrou diferenças significativas entre os setores. A Indústria e a Construção mostram resiliência, ao manterem índices de confiança próximos ao nível neutro de 100 pontos, mas em contraste, os setores de Serviços e Comércio indicam enfraquecimento da atividade econômica.

“O caso do Comércio é notável: o índice de confiança do setor caiu 4,0 pontos em maio, apenas um mês após subir expressivos 5,1 pontos, um movimento que parece espelhar a tendência negativa da confiança do consumidor no mês, ambos possivelmente influenciados pelo desastre ambiental no Rio Grande do Sul”, disse Campelo Jr.

Continua depois da publicidade

“Nos próximos meses, novos avanços da confiança dependerão, entre outros fatores, de uma evolução favorável da situação econômica e social no Sul do país”, avaliou.

A alta do ICE em maio foi impulsionada por avanços discretos em seus dois índices-componentes.

O Índice de Expectativas Empresariais (IE-E) subiu 0,1 ponto, alcançando 95,6 pontos, impulsionado pela melhora nas projeções para a situação dos negócios nos seis meses seguintes. O indicador que afere essa percepção registrou um acréscimo de 1,1 ponto, atingindo 97,0 pontos.

Continua depois da publicidade

Já o indicador que mede as expectativas com a demanda nos três meses seguintes, recuou 0,9 ponto, atingindo 94,2 pontos. O Índice da Situação Atual Empresarial (ISA-E) cresceu 0,3 ponto no mês, atingindo 96,1 pontos, o patamar mais elevado desde outubro de 2022.

Os seus componentes, que medem a percepção sobre a Demanda Atual e a Situação Atual dos Negócios, apresentaram incrementos de 0,5 e 0,1 ponto,