Confiança do consumidor volta a cair em janeiro, recuando 2,4 pontos, diz FGV

Em médias móveis trimestrais, o índice recuou pelo quarto mês consecutivo, em 0,6 ponto, para 92,1 pontos; confiança só avançou entre os consumidores de renda mais alta

Roberto de Lira

Publicidade

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) voltou a cair em janeiro, após ligeira recuperação em dezembro. O indicador calculado pelo FGV/Ibre recuou 2,4 pontos no mês, para 90,8 pontos, atingindo o menor nível desde maio de 2023. Em médias móveis trimestrais, o índice recuou pelo quarto mês consecutivo, em 0,6 ponto, para 92,1 pontos.

Segundo Anna Carolina Gouveia, economista do FGV/Ibre, o ICC deu continuidade à tendência de desaceleração iniciada em setembro do ano passado. Ela atribuiu o resultado à piora das perspectivas sobre a situação atual e das expectativas para os próximos meses, um movimento disseminada em quase todas as faixas de renda, com exceção das pessoas de renda mais alta.

“ Apesar do controle da inflação e da resiliência do mercado de trabalho, os juros e o endividamento elevados continuam a exercer pressão sobre a situação financeira e o consumo das famílias, contribuindo para a manutenção do indicador em patamar pessimista-moderado”, explicou em nota.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Situação atual e expectativas

Em janeiro, a queda da confiança ocorreu tanto nas avaliações sobre o momento atual quanto nas expectativas em relação aos próximos meses. O Índice da Situação Atual (ISA) caiu pelo segundo mês consecutivo, agora em 2,7 pontos, para 77,6 pontos, menor nível desde julho de 2023 (77,0 pontos). No mesmo sentido, o Índice de Expectativas (IE) recuou 2,3 pontos, para 100,2 pontos.

A queda da confiança ocorre em todas as faixas de renda, exceto para consumidores de maior poder aquisitivo (com renda acima de R$ 9,6 mil) influenciados por perspectivas positivas para os próximos meses.

As demais faixas se mostram pessimistas em relação às expectativas, com a confiança das famílias de menor poder aquisitivo – com renda até R$ 2,1 mil – atingindo o menor nível desde abril de 2023.